Tesouros da Sétima Arte – “A Vontade de Um General” e “Ao Cair da Noite”

    0

     

    A Vontade de Um General (Uomini Contro – 1970)

    Francesco Rosi quase nunca é citado em listas de grandes
    diretores, porém seu conjunto de obra é espetacular, tendo influenciado nomes
    como Oliver Stone, Costa-Gavras e Gillo Pontecorvo, além de ser citado com muita
    admiração por Francis Ford Coppola e Martin Scorsese. Escolhendo adaptar o
    livro “Un anno sull’altipiano”, de Emilio Lussu, o diretor une o contundente
    discurso do autor, denunciando a insanidade da guerra, com uma análise pessoal
    sobre as relações de poder em grupos masculinos, corajosamente afrontando a
    clareza política e questionando o intervencionismo.

    Tudo lindamente emoldurado pela fotografia de Pasqualino De
    Santis (que faria no ano seguinte “Morte em Veneza”, de Visconti), criando
    momentos inesquecíveis como a marcha dos soldados pela fumaça das bombas e,
    especialmente, a noite azulada iluminada pelas explosões na guerra de
    trincheiras. A trama aborda o desespero de soldados desmoralizados, guiados por
    um general (vivido por Alain Cuny) disposto a sacrificar seus homens até mesmo
    em situações desnecessárias, por simples capricho egocêntrico. O motim é
    questão de tempo, quando os pregos que mantém funcionando a engrenagem
    monstruosa e estúpida da guerra, acabam tendo a consciência de que a morte é
    uma condição mais digna do que aquela realidade sub-humana de existência.

    2948066955 3280ab46e3 o - Tesouros da Sétima Arte - "A Vontade de Um General" e "Ao Cair da Noite"

    Ao Cair da Noite (Les Bijoutiers du Clair de la Lune – 1958)

    No filme, Brigitte Bardot vive uma adolescente que acaba de sair de um
    convento e vai morar com sua tia e seu violento marido. Com o tempo, descobre
    que sua tia está tendo um caso com o mesmo jovem (vivido por Stephen Boyd) que
    havia lhe arrebatado o coração à primeira vista. A trama, que não deixa nada a
    dever aos melodramas de Douglas Sirk, possui mais méritos do que os críticos costumam citar ao analisarem o filme. A câmera parecia estar apaixonada por ela e a buscava em
    cena, sempre com uma atitudevoyeur, brindando os espectadores com
    relances reveladores de seu corpo. Roger Vadim, que casou com ela após cortejá-la
    desde que ela tinha quinze anos de idade, criava os filmes como forma de
    apresentá-la ao mundo. Eram meros veículos para propagar aos quatro ventos a
    beleza de sua musa.

    Uma cena em particular me surpreendeu
    positivamente: uma troca de olhares entre Bardot, Boyd e a tia, vivida por
    Alida Valli, logo após a morte do personagem vivido por José Nieto. O subtexto
    é transmitido de forma brilhante. Vários sentimentos se chocam, como o amor
    reprimido da personagem de Bardot ao descobrir o secreto romance entre sua tia
    e Lamberto (Boyd). Não sou fã do diretor, mas nesta cena ele provou ter
    talento. Já Bardot, que nunca considerei uma grande atriz, conseguiu ao final
    dessa sessão me fazer relembrar as razões que a tornaram um símbolo da
    sensualidade mundial. Nem Bob Dylan resistiu ao seu charme, tendo dedicado sua
    primeira canção à musa francesa. A realidade é que Bardot conseguiu domar até
    mesmo Godard, que a dirigiu no excelente “O Desprezo” (Le Mépris – 1963). O
    controverso diretor não pediu para ela interpretar a personagem Camille, mas
    sim que Camille se tornasse Bardot.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here