segunda-feira, 30 de maio de 2016

Cine Bueller - "As 7 Faces do Dr. Lao"

Link para os textos do especial:


As 7 Faces do Dr. Lao (7 Faces of Dr. Lao – 1964)
Um misterioso circo chega numa pacata cidade do oeste americano pra apresentar atrações exóticas, que irão despertar curiosidade e constrangimento nos habitantes e problemas para um rico fazendeiro local. Entre as criaturas do circo do dr. Lao estão - Merlin o mágico, Apolônio, Deus Pã, a serpente gigante, o abominável homem das neves e a mitológica Medusa.


O mundo inteiro é um circo se você souber olhar para ele.
O modo como o sol se põe quando você está cansado e nasce quando você se levanta, isso é magia de verdade.
O modo como uma folha cresce.
O canto dos pássaros.
O modo como o deserto fica à noite, quando a luz da lua o envolve.
Oh, meu garoto isto é circo bastante para qualquer um.
Toda vez que você assiste um arco-íris e sente seu coração se maravilhar com isso.
Toda vez que você apanha um punhado de areia e não vê a areia, mas um mistério, uma maravilha, lá na sua mão.
Toda vez que você para e pensa: "Eu estou vivo e estar vivo é fantástico".
Toda vez que isso acontece você faz parte do Circo do Dr. Lao.


O trecho acima, um diálogo entre o enigmático Dr. Lao, vivido por Tony Randall, e uma criança, resume muito bem a beleza dessa pequena joia do cinema familiar dos anos sessenta, dirigida por George Pal, que passava com muita frequência na “Sessão da Tarde” do final dos anos oitenta e início dos anos noventa. Alguns elementos ficaram datados, como os efeitos visuais, outros não funcionavam muito bem nem mesmo em sua época, o desenvolvimento dos personagens é raso, mas a mensagem é de uma profundidade filosófica pouco usual em projetos pensados para o público infantil, o texto é quase sempre encantador e com várias camadas de interpretação. Quando o circo chega à cidade, encontra uma sociedade de valores morais deturpados, com exceção de um repórter obstinado e uma bibliotecária viúva. O Dr. Lao então encontra uma forma prática de fazer com que essas pessoas reflitam sobre seus erros e entendam a necessidade da mudança de conduta, não somente pelo bem delas, mas também pela harmonia da comunidade. 

Gosto bastante da cena sombria em que Apolônio, o vidente, confronta uma senhora com um futuro triste e solitário, um choque de realidade que revolta a cliente. A crítica é clara e corajosa, o ser humano não está disposto a enfrentar a verdade, quando paga o vidente, ele compra o sonho, ele quer ser iludido, ele precisa ser levado a crer em possibilidades fantásticas, vida após a morte, um paraíso florido, a reciprocidade de um novo amor, em suma, respostas fáceis para perguntas difíceis. O tom do filme se assemelha muito ao do tcheco "Um Dia, Um Gato", realizado no ano anterior. Outro momento que faço questão de salientar é a dança da sedução de Pã, o deus dos bosques, para a bela bibliotecária, vivida por Barbara Eden. É impressionante que esse momento esteja inserido em um projeto infantil, o que causa uma estranheza perturbadora que agrega à experiência. 

* O filme está sendo lançado em DVD pela distribuidora “Classicline”, com opção de dublagem, em lançamento exclusivo em parceria com a Livraria Cultura. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário