“O Último Pistoleiro”, de Don Siegel, a despedida de John Wayne

0

O Último Pistoleiro (The Shootist – 1976)

John Wayne batalhava corajosamente contra um câncer no estômago, após ter vencido anos antes o mesmo mal, tendo que remover o pulmão esquerdo e quatro costelas. Além de ser um fumante inveterado, havia participado em 1956 de um filme chamado “Sangue de Bárbaros” num local próximo de onde os Estados Unidos haviam testado bombas atômicas.

A alta radioatividade presente teria envenenado grande parte da equipe técnica, que
desconhecia a periculosidade do lugar. Além de John, outros colegas desta filmagem viriam a falecer de câncer, como Susan Hayward, Pedro Armendáriz, Agnes Moorehead e o diretor Dick Powell, entre outros. Em 1964, o primeiro câncer já o havia deixado extremamente debilitado, mas ele quis ir a público e assumir sua doença. Os seus agentes tentaram impedi-lo, com medo de perderem contratos e futuros papéis no cinema, mas o guerreiro lutava em seus próprios termos. Wayne liderou uma campanha em massa alertando a todos sobre a necessidade de tomarem medidas preventivas. Cinco anos depois se viu livre da doença, mas os efeitos colaterais provaram-se devastadores em um homem tão cheio de vida.

Já com quase setenta anos e com uma carreira consagrada de mais de cento e quarenta filmes, o velho caubói pressentia que pouco tempo restava, o mundo estava mudando rapidamente com o crepúsculo da década de setenta se principiando no horizonte. Ele que havia sido o ídolo dos primeiros anos da Sétima Arte, com suas aventuras escapistas que eletrizavam as matinês, agora presenciava a reformulação do gênero Western pelas mãos competentes dos italianos. Os chapéus e as pradarias continuavam as mesmas, mas a ideologia era totalmente diferente. O mundo não aceitava mais as histórias coloridas e
simples de mocinhos e bandidos, os tons de cinza dominavam o velho oeste de Peckinpah e Leone.

O belo epitáfio de Wayne veio na forma do sensível: “O Último Pistoleiro”, com direção de Don Siegel e a presença dos amigos de longa data: James Stewart, John Carradine e Lauren Bacall. Era claro para toda a equipe que aquele seria o último filme dele, pois seu estado de saúde piorava dia após dia. Havia o temor de que talvez ele nem conseguisse terminar as gravações, porém todos estavam determinados a dar este último presente ao “Duke”, uma chance de interpretar o papel que ele sempre desejou.

Na história, Wayne vive J.B. Books, um velho pistoleiro com câncer que descobre ter poucos dias de vida e decide morrer da forma mais digna possível. Ele se recusa a ceder à sua dor, deitar-se e esperar lentamente seu último suspiro. A sua vontade é tombar em um duelo justo, ser admirado e merecer o eterno descanso. Siegel consegue incutir na obra grande sensibilidade, iniciando-a com trechos de filmes do jovem Wayne, utilizando estas cenas para emoldurar a vida do icônico personagem. Mais do que um filme sobre o fictício
J.B. Books, o diretor deixa claro que se trata de uma homenagem em vida ao maior símbolo do Western mundial, um homem que é idolatrado em seu país não somente por suas contribuições ao cinema, mas também por sua integridade de caráter.

Em 1979, o guerreiro não suportou mais e nos deixou. “O Último Pistoleiro” foi sua despedida triunfal das telas. Uma das raras vezes em que um ator teve a chance de dizer adeus para seu público e agradecer pelo carinho. Não existe morte mais digna que esta.

“O amanhã é o elemento mais importante da vida. À meia noite ele chega e se apresenta claramente. Perfeito, se entrega em nossas mãos, esperançoso de que tenhamos aprendido algo com o ontem.” (John Wayne)

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here