“Tempo de Massacre”, o melhor FAROESTE de Lucio Fulci

2

Tempo de Massacre (Le Colt Cantarono la Morte e Fu… Tempo di Massacro – 1966)

Tom Corbert (Franco Nero) retorna à sua cidade e encontra suas terras em posse dos Scott. Seu amigo é eliminado por pistoleiros da família que monopoliza a região. Tom então inicia um terrível plano de vingança com a ajuda de seu irmão, vivido por George Hilton.

O diretor italiano Lucio Fulci é reconhecido mundialmente pelo seu trabalho com o terror (obras como “Zombi 2” e “Terror nas Trevas”), mas ele fez alguns Westerns, sendo “Tempo de Massacre” seu primeiro e melhor trabalho no gênero. Franco Nero (vindo do recente sucesso em “Django”) alia-se ao uruguaio George Hilton (que viria a se estabelecer no gênero, inclusive interpretando o mítico “Sartana”) em uma das melhores sequências de ação já captadas no “Spaghetti Western”.

A excelente trilha sonora (de Coriolano Gori, com música-tema cantada em inglês, como de costume, por Sergio Endrigo) e a violenta cena do chicoteamento sofrido pelo herói, não somente foram poupadas pela cruel ação do tempo, como conseguem manter sua eficiência intacta. O alívio cômico na figura do esperto coveiro (vivido pelo chinês Tchang Yu), que cobra até pela saliva gasta em sua informação, induzirá o espectador ao riso com a mesma habilidade. O excruciante fator tempo, problema maior que encontro ao revisitar os filmes italianos do gênero, foi ultrapassado com habilidade por Fulci neste caso (infelizmente não posso dizer o mesmo de “Os Quatro do Apocalipse”, que ele dirigiu em 1975).

Inspirado pelo faroeste psicológico de Raoul Walsh: “Sua Única Saída” (Pursued – 1947), o filme foi um divisor de águas para o diretor (que atrairia a atenção de produtores) e para seus dois protagonistas. Nero confirmaria com este sucesso seu carisma lucrativo (substituindo Giuliano Gemma aos olhos dos fãs), enquanto Hilton viria a construir uma carreira graças a este papel coadjuvante, em que eclipsa o protagonista. O ponto alto, inclusive servindo de inspiração para o cineasta John Woo, é o tiroteio final, em que o espetáculo de destruição (anterior ao “Meu Ódio Será sua Herança”, que Sam Peckinpah realizaria em 1969) desrespeita qualquer verossimilhança, com Nero saltando acrobaticamente e já caindo atirando.

As imagens que guardo na memória após a sessão são aquelas em que a dupla claramente se diverte enquanto realiza sua missão, trocando de armas entre si. A camaradagem entre pessoas que se respeitam, mesmo com divergências, unindo-se em um objetivo comum.

Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

2 COMENTÁRIOS

  1. Octavio eu tenho um carinho muito grande por este spaghetti western. Foi o primeiro que assisti com Franco Nero. Tornei-me fã desse ator e o imitava. Antes era Giuliano Gemma, depois foi Nero. É um western original, com elementos de mistério, suspense e muita ação e violência. Possui algumas falhas, mas é um grande representante do gênero. Sempre ressaltei a sua trilha sonora, belíssima, de autoria do maestro Coriolano Gori, cantada em inglês pelo grande Sergio Endrigo. O final é antológico, com Fulci adicionando surrealismo, Júnior cai e os pombos voam como que saindo de dentro dele. Na minha interpretação é o seguinte: ele representa uma ave de rapina, que paira sobre todos e devora tudo e todos. No entanto o sentimento bom está aprisionado dentro dele tentando se libertar, por isso o aleijão que ele possui em seu corpo, com o pescoço pendendo para o lado direito (a paz se contorce dentro dele). quando ele morre o sentimento bom escapa finalmente na forma dos pombos, e a paz então volta para as pessoas daquela cidade. Final antológico que muitos diretores, incluindo americanos, depois tentaram imitar. Parabéns por lembrar desse filme

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here