Chumbo Quente – “Tempo de Massacre” e “Os Abutres Têm Fome”

    0

    Tempo de Massacre (Le Colt Cantarono la Morte e Fu… Tempo di Massacro – 1966)

    Tom Corbert (Franco Nero) retorna à sua cidade e encontra suas terras em posse dos Scott. Seu amigo é assassinado por pistoleiros da família que monopoliza a região. Tom então inicia um terrível plano de vingança com a ajuda de seu alcoólatra irmão, vivido por George Hilton.

    O diretor italiano Lucio Fulci é reconhecido mundialmente pelo seu trabalho com o terror (obras como “Zombi 2” e “Terror nas Trevas”), mas ele fez alguns Westerns, sendo “Tempo de Massacre” seu primeiro e melhor trabalho no gênero. Franco Nero (vindo do recente sucesso em “Django”) alia-se ao uruguaio George Hilton(que viria a se estabelecer no gênero, inclusive interpretando o mítico “Sartana”) em uma das melhores sequências de ação já captadas no “Spaghetti Western”, o que é apenas uma das qualidades desta obra. A excelente trilha sonora (de Coriolano Gori, com música-tema cantada em inglês, como de costume, por Sergio Endrigo) e a violenta cena do chicoteamento sofrido pelo herói, não somente foram poupadas pela cruel ação do tempo, como conseguem manter sua eficiência intacta. O alívio cômico na figura do esperto coveiro (vivido pelo chinês Tchang Yu), que cobra até pela saliva gasta em sua informação, induzirá o espectador ao riso com a mesma habilidade. O excruciante fator tempo, problema maior que encontro ao revisitar os filmes italianos do gênero, foi ultrapassado com habilidade por Fulci neste caso (infelizmente não posso dizer o mesmo de “Os Quatro do Apocalipse”, que o mesmo dirigiu em 1975).

    Inspirado pelo faroeste psicológico de Raoul Walsh: “Sua Única Saída” (Pursued – 1947), o filme foi um divisor de águas para o diretor (que atrairia a atenção de produtores) e para seus dois protagonistas. Nero confirmaria com este sucesso, seu carisma lucrativo (substituindo Giuliano Gemma aos olhos dos fãs), enquanto Hilton viria a construir uma carreira graças a este papel coadjuvante, onde eclipsa o protagonista. O ponto alto (inclusive servindo de inspiração para o cineasta John Woo) é o tiroteio final, onde o espetáculo de destruição (anterior ao “Meu Ódio Será sua Herança”, que Sam Peckinpah realizaria em 1969) desrespeita qualquer verossimilhança, com Nero saltando acrobaticamente e já caindo atirando. As imagens que guardo na memória após a sessão são aquelas em que a dupla claramente se diverte enquanto realiza sua vingança, trocando de armas entre si. A camaradagem entre pessoas que se respeitam (mesmo com divergências), unindo-se em um objetivo comum.

    313sara - Chumbo Quente - "Tempo de Massacre" e "Os Abutres Têm Fome"

    Os Abutres Têm Fome (Two Mules for Sister Sara – 1970)

    Os americanos criaram o gênero faroeste, com o bem e o mal sendo retratados de forma clara (sem tons de cinza), com cowboys de vestes limpas (como se saídas de um tintureiro) e coloridas. Os italianos iniciaram copiando o estilo dos americanos, mas pouco tempo depois começaram a estabelecer um novo padrão do que era o Velho Oeste, com um cenário decadente e onde não se podia distinguir o bem do mal, com cowboys sujos e de vestes maltratadas pelo desgaste natural, dentes podres, barbas por fazer e Ennio Morricone. A estética do chamado “Western Spaghetti” então acabou sendo copiada pelos americanos, em obras como “Os Abutres têm Fome”. Outro aspecto interessante do filme é que ele utiliza o humor como tema central, algo que remete aos filmes da série italiana “Trinity”. Infelizmente o título em português comete o deslize de ignorar a brincadeira que existe no original: “Duas Mulas para a Irmã Sara”. A segunda mula é o personagem vivido por Clint Eastwood, aceitando brincar em cima de sua própria persona estabelecida nos clássicos de Sergio Leone. Vale a pena salientar que Ennio Morricone conduz mais uma trilha sonora inspirada e coerente com o tom bem humorado do projeto, utilizando em sua melodia trechos de um coral entoando em estilo gregoriano frases como: “livrai-nos do pecado e da tentação”.

    A química entre o pistoleiro vivido por Eastwood e a misteriosa freira vivida por Shirley MacLaine, garante os melhores momentos da obra. O diretor Don Siegel (que depois iria comandar o último filme de John Wayne: “O Último Pistoleiro”) consegue equilibrar as situações cômicas com cenas de ação de ótimo ritmo, fazendo com que até mesmo nos intervalos, a atenção do público seja mantida. Na época de sua estreia ele foi mal recebido, pois as pessoas queriam o “Homem sem Nome” (ainda hoje alguns incorrem no erro de compará-lo com filmes no gênero de outras pretensões), não uma divertida brincadeira com o Velho Oeste. Visto hoje, nota-se que tanto o tema quanto a execução envelheceram muito bem. A tensão sexual entre os dois personagens encontra seu ápice na esperta revelação final, que obviamente não citarei no texto, em respeito aos que ainda não assistiram.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here