Na Mira de 007: Parte 14 – Despedida Inglória

    0

    007 – Na Mira dos Assassinos (A View To a Kill, 1985)
    Roger Moore estava com cinquenta e sete anos e havia
    chegado a hora de sua aposentadoria como o maior agente secreto do cinema. Os
    produtores Albert Broccoli e Michael Wilson queriam fazer
    deste crepúsculo algo especialmente memorável para os fãs, portanto não
    pouparam despesas na escalação do elenco e nos custos de produção. Inicialmente
    tentaram escalar David Bowie para o papel do vilão Max Zorin, porém após a
    recusa do camaleônico cantor recrutaram para a tarefa o vencedor do Oscar (por
    sua atuação em “O Franco-Atirador”, de 1978): Christopher Walken. Ele
    interpreta o um industrial excêntrico que fugiu da Alemanha e fez uma fortuna
    com prospecção de petróleo. Dono de um haras geneticamente controlado, com
    cavalos de corrida invencíveis, o excêntrico milionário esconde um segredo que
    nos remete à eterna criação de Mary Shelley. A exótica cantora jamaicana Grace
    Jones rouba a cena como May Day, companheira e ajudante de Zorin.

    A produção sofreu um pequeno atraso, pois devido a uma
    quantidade grande de galões de gasolina deixados pela equipe de filmagem do
    filme “A Lenda” de Ridley Scott, o “Estúdio 007” (Pinewood) foi praticamente
    destruído em um incêndio. O bravo Albert Broccoli reconstruiu e rebatizou-o de
    Albert R. Broccoli´s 007 Stage”, em tempo para o início das filmagens
    principais. O maior desafio coube ao diretor John Glen, responsável
    por mascarar a avançada idade do protagonista. A maneira encontrada foi
    intensificar ainda mais as cenas de ação, ainda que em muitas delas ficasse
    muito distinguível a presença do dublê. Este seria o último filme da franquia
    para Moore e Lois Maxwell, que interpretou a adorável secretária
    Moneypenny desde “Dr. No”. A canadense Tanya Roberts, que tinha acabado de
    sair da popular série “As Panteras”, hoje é lembrada como a Bond Girl mais
    “apagada”. Ela vive Stacey Sutton, filha de uma das vítimas do vilão, uma
    personagem que não acrescenta muito à trama, ofuscada pelo brilho de Grace
    Jones. Patrick Macnee, amigo de Moore, interpreta o fiel escudeiro:
    Godfrey Tibbet. Uma escolha que serve como alívio cômico, mas que soa
    inadequada para um filme da franquia (não tão inadequado quanto o execrável
    personagem “Xerife Pepper” de “Live and Let Die” e “The Man With The Golden
    Gun”, vale salientar), fazendo-nos sentir falta da química entre o espião e
    Felix Leiter.

    Dentre as cenas de ação, vale destacar a solução desesperada
    do herói para impedir seu afogamento, quando trancado em um Rolls-Royce dentro
    de um rio. Ao perceber que seus algozes o observam da margem, o agente
    desatarracha a tampa de ar do pneu e passa a respirar o ar que sai da câmara.
    Outra cena que ficou famosa é a sequência pré-títulos, onde Bond ao som de “California
    Girls”, dos Beach Boys, foge dos russos surfando de esqui em plena neve. A
    trilha sonora ficou a cargo novamente de John Barry e a excelente
    canção título foi interpretada pela banda Duran Duran. O baixista John
    Taylor, um grande fã da franquia, aproximou-se de Broccoli em uma festa e
    perguntou-o corajosamente: “Quando vocês irão colocar alguém decente para
    fazer suas canções tema?” Esta ousadia o levou a criar a canção “A View to
    a Kill”, o primeiro tema verdadeiramente pop a emoldurar um filme de 007. O
    resultado: um sucesso mundial gigantesco.

    O projeto rendeu bem nas bilheterias, mas foi um justo
    fracasso de crítica. O próprio Moore o considera seu pior filme. O ator, muito
    bem humorado em uma entrevista de 2007, confessou: “Eu estava apenas uns
    400 anos acima da idade necessária para o papel”. A obra realmente não foi a
    despedida que ele merecia. O ator foi o responsável pela longevidade da série,
    que teria certamente acabado após a saída de Connery e a tentativa fracassada
    com Lazenby. Seu humor simpático e bon vivant tornou-se uma marca
    indelével e ninguém conseguirá imitá-lo. Assim como Connery, Moore estabeleceu
    um James Bond inesquecível para os fãs.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here