“O Tempo Redescoberto”, de Marcel Proust

    0

    “Lá onde a vida levanta muros, a inteligência abre uma saída”.

    Marcel Proust (1871-1922) chegou a afirmar que nunca havia
    assistido a um filme, aquela curiosa invenção muda que dominava as feiras e os
    pequenos Nickelodeon da época, dizendo ainda que não acreditava que aquela
    ferramenta conseguiria captar a vida com a mesma profundidade que a literatura.
    É interessante perceber, no entanto, como sua recorrente abordagem sobre o
    impacto da passagem de tempo nas relações afetivas e na personalidade de seus
    protagonistas é profundamente cinematográfica em sua essência. A dificuldade de
    transportar em imagens as contemplações dedicadas do autor foi um grande
    empecilho na indústria, fazendo com que as tentativas de Luchino Visconti e Joseph
    Losey (com roteiro de Harold Pinter) fossem interrompidas.

    Adaptar os sete volumes (quase 4000 páginas) do maravilhoso “Em
    Busca do Tempo Perdido”, onde Proust trabalha o tema do sentido da vida pelo
    filtro das memórias, seria algo extremamente complicado. Os fatores que fazem
    um indivíduo ser algo único, através da criação de sua identidade. O respirar
    de um novo ar, que sendo uma constante reminiscência de sua experiência de vida,
    mantém-se irremediavelmente puro. São reflexões filosóficas que surpreendem
    pelo bom humor. Pérolas como: “deixem as mulheres bonitas para os homens sem
    imaginação”. O autor não é reconhecido por isso, talvez porque muitos que o
    celebram objetivando algum tipo de status intelectual, nunca leram com atenção os
    sete volumes. Ele segue estimulando-nos a desconfiar daquela realidade proposta
    nas páginas, assimilando a identidade dos personagens pelo filtro de suas
    variações, atravessando o fogo cruzado entre o tempo e a memória, vista como
    instrumento de aprendizado para a inteligência. O autor vê o homem como um ser
    em constante evolução, indiferente às explicações nascidas das ideologias
    religiosas e dos estudos científicos. O mais bonito na experiência dessa longa leitura
    é constatar que após o término, ficamos com vontade de reiniciar apenas para usufruir
    da retrospectiva com o acréscimo de nossas próprias memórias, um passo a frente
    do autor. E posso constatar que vale cada segundo investido.

    O corajoso e intensamente criativo diretor chileno Raoul
    Ruiz (falecido em 2011) selecionou logo o último volume, o mais lúdico, para
    transportar em seu “O Tempo Redescoberto” (Le Temps Retrouvé, d’après l’oeuvre
    de Marcel Proust – 1999), conseguindo captar com sensibilidade a fusão entre o
    narrador Marcel (como ele divertidamente cita no livro, esse seria seu nome
    caso fosse o autor) e o romancista experiente Proust. Nos primeiros minutos,
    que acompanham o autor (vivido por Marcello Mazzarella) em seu leito de morte,
    podemos perceber que estamos diante da tela de um artesão, experimentando
    truques visuais, com móveis que se deslocam em cena, transpondo a sensação de
    que fazemos parte do resgate emotivo do personagem, que deseja profundamente
    terminar sua obra, mas que também se questiona sobre a validade de tão hercúleo
    esforço, já que todos aqueles que ele ama e a sociedade em que vive, irão
    perecer. Seu livro irá acabar acumulando poeira em alguma estante, muitos anos
    após sua morte. Ele inicia buscando conscientemente inspiração na memória
    resgatada pelas fotografias, mas terminará descobrindo que o segredo reside no
    poder daquelas lembranças involuntárias. A forma como o diretor utiliza esse
    conceito no filme (com clara inspiração em “Ano Passado em Marienbad”, de Alain
    Resnais), não ajuda a torná-lo fácil, até mesmo para aqueles que leram as
    obras. Mas o esforço de acompanhar a trama é muito válido, sobretudo pelo
    brilhantismo estético e pelas invenções narrativas, como portas que se abrem
    para revelar o “eu” criança do personagem. Ainda mais se consideramos que ele
    foi lançado em um dos períodos mais fracos em criatividade no cinema mundial.

    O filme eleva sua qualidade ao depender da reação do
    espectador descobrindo os elementos que o fascinaram na leitura. A Arte
    justifica a existência humana, ou como Proust afirma no livro:

    “… Um minuto livre da ordem do tempo recriou em nós, para senti-lo,
    o homem livre da ordem do tempo. E pode-se entender que este homem deve ter a
    confiança em sua alegria, mesmo que o simples sabor de uma Madeleine (bolinho
    cujo sabor evoca o passado no autor) não parece lógico para conter dentro dele
    as razões para esta alegria, pode-se entender que a palavra “morte”
    não deve ter nenhum significado para ele, situado fora do tempo, por que ele
    deveria temer o futuro?…”.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here