Existe “Filme de Arte”?

    2

    Alguns dias atrás eu revi “A Árvore da Vida” (The Tree of
    Life – 2011, de Terrence Malick) e constatei novamente sua incrível morosidade.
    Lembrei-me de toda a polêmica que ele causou em sua estreia, gerando opiniões
    radicais de apreço ou de repúdio. A garotada adolescente se agarrou naquela
    nuvem e utilizou-a como bandeira em sua guerra por autoafirmação, atacando
    duramente todos que diziam que não haviam gostado ou entendido. Meses depois,
    assistindo uma entrevista do excelente ator Gary Oldman (divulgando o último
    “Batman”, de Christopher Nolan), eu fiquei surpreso com sua forma jocosa de se
    referir ao tão celebrado filme: “Sou um fã de Terrence Malick, fui assistir o
    filme sem saber nada sobre ele, mas após assisti-lo continuo sem saber nada
    sobre ele”. A gargalhada dele foi mais sincera que todas as “Bíblias” escritas
    pelos defensores da obra, buscando significados em uma típica “roupa nova do
    rei”. O que ocorre com esta superestimação é o posicionamento de mais um tijolo
    no muro do senso comum (do cinéfilo casual), debochadamente chamado de “filme
    cabeça” ou “filme de arte” (toda expressão artística é uma forma de Arte). Você
    já deve ter escutado muita gente dizer que não suporta a chatice dos “filmes
    cabeça”. Todos precisam ser chatos?

    A cena que inicia “Lanternas Vermelhas” (Da Hong Deng Long
    Gao Gao Gua – 1991) já emociona o espectador. Nela vemos a personagem vivida
    por Gong Li aceitando resignada sua função na sociedade da época (“serei uma
    concubina, pois este é o destino da mulher”). Os seus olhos, lenta e
    gradativamente lacrimejam, mas as lágrimas somente descem pelo seu impávido
    rosto no segundo final. O que realmente emociona o espectador não são as
    lágrimas em profusão (erro usual em “soap operas”), mas sim o processo físico
    que antecede a ação. Ser a esposa de um chinês rico no início do século XX
    significava escravizar-se a uma tradição milenar, tornando-se uma dentre
    quantas mulheres ele quisesse. O talentoso diretor Zhang Yimou consegue unir a
    sensibilidade estética com um senso de ritmo dinâmico, levando o público casual
    a afirmar: “nunca imaginei que um filme de arte pudesse me deixar tão
    apreensivo”. A realidade é que não existe um gênero “arte”, pois como já
    afirmei, todas as expressões cinematográficas (de qualquer gênero) são formas
    de arte. Existe o senso comum de que todos os filmes que não visam puramente o
    entretenimento são chatos e arrastados. Conheço pessoas que afirmam não
    suportarem o cinema chinês (somente apreciam os de “Kung-Fu”), mas que adoraram
    “Lanternas Vermelhas”. Afinal, qual o fascínio dessa obra?

    No clássico maravilhoso de Preston Sturges: “Contrastes
    Humanos
    ” (Sullivan´s Travels – 1941) encontra-se uma possível resposta à
    questão levantada no parágrafo anterior. O protagonista (vivido por Joel McCrea)
    é um diretor de cinema (alterego do próprio Sturges) que abastece a indústria
    com filmes ingênuos de comédia e alegres musicais, retratando uma realidade
    muito diferente da vivida pelo povo de seu país, massacrado pela Grande
    Depressão. Decidido a fazer algo de útil pela sua sociedade, investe enorme
    dedicação em um novo projeto dramático, em que irá retratar a miséria e a cruel
    vida real. Como forma de compreender melhor este universo, decide vestir-se de
    mendigo e conviver com os marginalizados. Não demora muito para que perceba a
    importância do escapismo, como meio saudável de sobrepujar situações difíceis (simbolizado
    pela bela cena dos presidiários gargalhando ao assistirem um simplório desenho
    animado). A obra exalta a necessidade do humor e critica os densos “filmes de
    protesto” (no que se encaixam também as músicas de protesto), que
    hipocritamente emolduram a miséria, porém não apresentam maneiras de
    contorná-la de forma lúdica ou prática. Yimou não precisa deixar uma câmera
    focando estaticamente uma árvore por cinco minutos, para “dizer” alguma coisa.Ele
    sabe que existe um público do outro lado, ansioso em identificar-se com sua
    arte, emocional e racionalmente. Diferente de vários diretores “de arte”, que
    parecem ter prazer em tornar a experiência o mais entediante possível (a
    pretensão superando a competência), Yimou consegue passar sua mensagem com
    riqueza de detalhes, sem fazer o espectador consultar o relógio de dez em dez
    minutos.

    O microcosmo apresentado em sua obra, quatro esposas que
    disputam a atenção de um senhor, nos faz questionar e nos entretém. Aquela
    mulher que é selecionada para passar a noite com seu “dono”, recebe uma
    confortável massagem nos pés e pode escolher o que irá comer nas refeições do
    dia seguinte. Ela é valorizada e sente-se uma rainha, o que obviamente causa
    ciúme nas outras esposas. Yimou acerta ao manter o homem sempre escondido na
    penumbra ou visto de muito longe, pois reflete no público exatamente o mesmo
    tipo de relação distante e fria que a protagonista vive. Outros detalhes
    estéticos, como a diferenciação feita pela fotografia, entre as estações do ano
    e sua relação com as esposas, eu deixarei para o leitor identificar.

    A crítica realizada pelo cineasta é contundente, porém
    conduzida primordialmente com a intenção deentreter(outra expressão
    comum utilizada após a exibição: “fiquei o tempo todo na ponta do sofá, tenso”),
    fazendo com que sua duração passe veloz. Infelizmente nesta indústria, para
    cada Preston Sturges ou Zhang Yimou existem cinco “Terrence Malick´s”,
    dispostos a curar nossa insônia com seus enfadonhos projetos.E finalizo com afirmações curiosas de geniais diretores,
    como o alemãoWerner Herzog, que uma vez afirmou: “diretores como Godard
    são intelectualmente falsos, quando comparados a um bom filme de kung-fu”. Como
    processar esta afirmação feita pelo francêsFrançois Truffaut, sobre
    Michelangelo Antonioni: “ele é o único diretor importante do qual nada de bom
    tenho a dizer, pois ele me dá sono com toda sua solenidade e nenhum senso de
    humor”. AtéIngmar Bergmanmanifestou seus sentimentos sobre o
    trabalho de Antonioni: “Fellini, Kurosawa e Buñuel caminham no mesmo ritmo de
    Tarkovsky, mas Antonioni vai por outro caminho, sufocado pelo seu próprio tédio”.
    Finalizo com as palavras do crítico e diretor francêsJacques Rivette, que
    uma vez afirmou sobre Stanley Kubrick: “ele é uma máquina, um mutante, um
    marciano, sem nenhuma emoção humana”. Não existe “filme de arte”, mas sim
    diversas formas de compreender diferentes expressões artísticas. Ninguém é mais
    inteligente por ter amado “A Árvore da Vida”, nem um ignorante inculto por
    tê-lo achado um tédio insuportável.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    2 COMENTÁRIOS

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here