“O Homem Errado”, de Alfred Hitchcock

0

O Homem Errado (The Wrong Man – 1956)

Em Nova York, em janeiro de 1943, um músico (Henry Fonda) de uma casa noturna tem a vida remexida quando a mulher (Vera Miles) precisa de 300 dólares para tratamento dentário e ele vai a um escritório, para saber quanto pode conseguir de empréstimo com a apólice da sua mulher. Porém, ele é identificado erradamente pelas funcionárias como sendo o assaltante que tinha roubado o local um ano antes.

A razão principal desta obra-prima ser usualmente esquecida em listas de melhores do diretor é exatamente o elemento que a torna grandiosa, sua total nudez estilística, sua abordagem quase documental, fugindo totalmente da fórmula exercitada pelo mestre do suspense em seus filmes mais famosos. Aquele que o assiste na expectativa de ser entretido pelas acrobacias narrativas do mestre, com certeza irá equivocadamente considerá-lo menor. O foco do tema estruturalmente reside no fator inesperado, não no suspense que antecede a probabilidade de eventos. E, dentre todos os projetos em que Hitchcock trabalhou o conceito do inocente condenado injustamente, acredito que esse tenha sido o mais complexo, um interessante e sóbrio estudo sobre os danos psicológicos causados no indivíduo, além dos efeitos da destruição moral que acomete todos em sua volta.

Não era a primeira vez que o diretor abordava um evento real, mérito do impecável “Festim Diabólico” (Rope, 1948), que era inspirado no caso Leopold-Loeb, os dois estudantes assassinos. A inteligência do diretor e sua capacidade fantástica de síntese imagética, direcionando o olho do espectador objetivamente para somente aquilo que precisa ser mostrado, normalmente é celebrada na introdução do protagonista de “Janela Indiscreta”, mas gosto também bastante da forma como ele nos apresenta o personagem de Henry Fonda. Basta um breve sorriso de Manny Balestrero enquanto admira uma propaganda em um jornal, onde vemos um automóvel com uma mulher e duas crianças, para entendermos, por sua identificação emocional, que ele possui mulher e dois filhos. Em um momento posterior, podemos mensurar todos os conflitos internos que ele está vivenciando, simplesmente por mostrá-lo indefeso e fragilizado fisicamente enquanto os policiais registram suas impressões digitais.

A tragédia Kafkiana do herói comum, visualizada na maior parte das cenas por uma ótica quase Bressoniana, um filme que somente melhora a cada revisão.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here