Hitchcock – A Dama Oculta / Correspondente Estrangeiro

    0

    Links para textos sobre outros filmes do diretor:

    http://www.devotudoaocinema.com.br/2014/06/hitchcock-os-39-degraus.html

    http://www.devotudoaocinema.com.br/2014/06/hitchcock-o-homem-errado.html

    http://www.devotudoaocinema.com.br/2014/06/hitchcock-um-corpo-que-cai.html

    A Dama Oculta (The Lady Vanishes – 1938)

    Durante viagem de trem pela Europa, a jovem Iris torna-se
    amiga da Srta. Froy. Mas a simpática senhora desaparece misteriosamente e,
    quando Iris investiga seu paradeiro, os passageiros negam tê-la visto.

    O melhor filme da fase britânica de Hitchcock, com uma trama
    passada em uma viagem de trem, utilizando como McGuffin a figura da enigmática
    senhora Froy, que desaparece exatamente no fim do primeiro ato. E, mais genial
    ainda, temos um Meta-McGuffin na forma de uma melodia que aparece logo no
    início, mas que só se revela importante ao final. Interessante perceber que o
    elemento da espiral, que o diretor trabalharia de forma definitiva em “Um Corpo
    que Cai” (Vertigo – 1958), já se mostra presente em seus primeiros projetos. O
    título do romance no qual o filme se baseia:“The Wheel Spins”, alude ao
    movimento das rodas do trem, como símbolo e veículo onírico, ao mesmo tempo, de
    mobilidade e imobilismo. Não é coincidência que as rodas apareçam na montagem
    que acompanha o primeiro (serão cinco ao total) desmaio da personagem Iris
    (Margaret Lockwood), que está voltando para se casar com um homem que não ama,
    apenas pelo nome importante que ele carrega. Detalhes que são perceptíveis em
    revisões acentuam o fato de que ela, como alguém que busca se tornar uma “Lady”
    ao se casar com alguém de classe social mais abastada, representando a
    sociedade britânica da época, é quem está verdadeiramente “desaparecendo”
    (vanishing).

    v7hKX9U7aYxbmRhxCGpLv6sm8ru - Hitchcock - A Dama Oculta / Correspondente Estrangeiro

    Correspondente Estrangeiro (Foreign Correspondent – 1940)

    A história de Johnny Jones (Joel McCrea), um correspondente
    de um jornal de Nova York que vai à Europa com um nome falso, para cobrir
    aquilo que seria um inevitável começo da Segunda Guerra Mundial. Durante um
    turno de trabalho, presencia a morte de um diplomata holandês. Tudo se complica quando ele descobre que quem morreu na verdade
    não foi o diplomata, e sim um sósia, e que na verdade ele fora sequestrado por
    agentes que desejam um segredo seu.

    O filme que Joseph Goebbels, ministro da propaganda nazista,
    considerou: “uma obra-prima da propaganda”, normalmente esquecido pelos jovens
    fãs que Hitchcock acumulou ao longo das últimas décadas, mas que se mantém
    firme e resiste ao teste do tempo, mesmo sendo claramente um produto das
    paranoias de seu tempo. Após um início esquisito na América com o premiado
    “Rebecca”, onde era inegável perceber que muito pouco do diretor estava
    presente na obra, parecia que o inglês aceitaria as imposições do estúdio
    americano e acabaria perdendo sua identidade, mas esse segundo esforço
    provou-se um teste de resistência para o realizador. O produtor Walter Wanger
    insistia em reescrever o roteiro, enquanto as filmagens estavam sendo
    realizadas. Algo inconcebível para o diretor, que respeitava demais seu próprio
    talento e não aceitaria ser um reles peão na indústria. Com duas sequências que
    coloco entre as melhores da filmografia do cineasta: o assassinato na chuva e o
    bombardeio de um avião, esse filme merece constar entre os grandes do mestre do
    suspense.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here