O Cinema de Ozu – “Uma Galinha no Vento”

    0

    Links para os textos anteriores:

    http://www.devotudoaocinema.com.br/2013/10/o-cinema-de-ozu-filho-unico.html

    http://www.devotudoaocinema.com.br/2013/12/o-cinema-de-ozu-era-uma-vez-um-pai.html

    http://www.devotudoaocinema.com.br/2014/03/o-cinema-de-ozu-pai-e-filha.html

    Uma Galinha no Vento (Kaze no Naka no Mendori – 1948)

    Passando por dificuldades e com o filho doente, Tokiko se
    prostitui por uma noite para poder pagar as despesas enquanto Shuichi, seu
    marido, está lutando no front.

    Como sempre tive um espírito arqueológico, a primeira coisa
    que fiz ao receber o digistack da Versátil foi assistir ao filme que eu não
    conhecia. E que grata surpresa! Yasujiro Ozu demonstra que estamos testemunhando uma
    alegoria poética, já evidenciando desde a primeira cena a importância do
    cenário do Japão derrotado durante a ocupação americana, simbolizado pela
    favela industrial onde habita com dificuldade a jovem protagonista Tokiko (Kinuyo
    Tanaka) e seu filho pequeno, aguardando com esperança o retorno de seu marido
    (Shuji Sano), enquanto sobrevive da generosidade dos amigos.

    Ela acaba agindo impulsivamente, indo contra todos os seus
    princípios, procurando a prostituição como forma de conseguir pagar o
    tratamento do filho doente. A jovem, como o Japão em guerra, perde a pureza. Ozu
    utiliza na execução da metáfora alguns artifícios incomuns em sua filmografia,
    como a violência, na forte cena em que o marido revoltado empurra a esposa, que
    rola escada abaixo. O interesse/foco narrativo está no esforço dela em se
    manter de pé, lutando contra a perna machucada, mostrando-se enfim resiliente
    aos olhos dele. O caminho mais fácil seria ela continuar deitada, implorando humilhada
    a pena dos outros, mas dessa vez ela irá resistir, aceitando o erro e aprendendo
    com a experiência, assim como a sociedade japonesa que estava se reconstruindo
    das cinzas.

    *O filme está sendo lançado pela distribuidora Versátil no
    digistack “O Cinema de Ozu – Vol. 2”, que também conta com: “Pai e Filha”, “Começo
    de Primavera”, “Ervas Flutuantes”, “Fim de Verão” e “Flor do Equinócio”.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here