“Os 300 de Esparta”, de Rudolph Maté

0

Os 300 de Esparta (The 300 Spartans – 1962)

O diretor Rudolph Maté foi o responsável pela fotografia de obras imortais do cinema, como “A Paixão de Joana d’Arc” (1928) e “Gilda” (1946), com “Os 300 de Esparta”, ele se aliou ao fotógrafo Geoffrey Unsworth (de “2001 – Uma Odisseia no Espaço” e “Superman – O Filme”) para contar um pouco da história da Grécia e de seu bravo herói Leônidas (Richard Egan), que desafiou o conceito de impossível, ao comandar 300 guerreiros contra um exército de aproximadamente 250.000 homens.

Este conto de coragem e sacrifício ajudou a delinear o curso da civilização ocidental, legando para gerações a necessária esperança, ínfima outrora, para seguir na batalha. O roteirista de quadrinhos Frank Miller, do clássico “Batman: O Cavaleiro das Trevas”, viu esse filme quando era criança, ficando profundamente marcado pela trama, que considerou a causadora da mais importante mudança em sua vida criativa. Anos depois, ele escreveria “300”, que acabou sendo adaptado para o cinema em 2006, com direção de Zack Snyder.

O roteiro deste clássico trabalha temas como democracia vs. despotismo, com uma sutil analogia à Guerra Fria, sendo não somente um ótimo exemplar do subgênero “Espada e Sandálias”, como também uma excelente aula de História. Um raro caso nesta seara que se propõe a ser fiel aos fatos. O elenco inclui o excelente Ralph Richardson, como Temístocles, e David Farrar, como o arrogante Xerxes, dando suporte para que Egan consiga transmitir a força interna de seu personagem.

Interessante perceber que as batalhas conseguiam ser mais empolgantes, mesmo sem todas as facilidades tecnológicas modernas. Talvez porque, diferente do moderno “300”, o foco está nas motivações emocionais individuais dos personagens, não na estilização e nos efeitos em computação gráfica. Tempo generoso é dedicado às estratégias de batalha, falatório que seria cortado hoje em dia, elemento que engrandece o resultado.

Um conto sobre a importância de se lutar pela liberdade que deve ser passado de pai para filho, evidenciando que a determinação de poucos pode modificar a realidade de muitos.

Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here