Você já se encantou por “Sabrina”?

1

 

Sabrina (1954)

Sabrina (Audrey Hepburn) é a filha de um motorista de
família rica. Ao se apaixonar por David (William Holden), filho mais novo da
família, decide ir para Paris para esquecê-lo e lá se torna uma mulher
deslumbrante. Ao voltar, acaba sendo disputada pelo playboy e por seu irmão
mais velho (Humphrey Bogart).

Após muitos anos eu tive o prazer de rever o filme e fiquei
feliz ao constatar que ele continua tão agradável quanto em minha memória.
Incrível como os cento e dez minutos passam rápidos, com o fantástico roteiro
de Billy Wilder compondo uma realidade que eu gostaria de continuar vivenciando
por mais algumas horas, sem olhar para o relógio. Como desviar os olhos de
Audrey Hepburn, uma das mulheres mais charmosas que o cinema apresentou ao
mundo? A belga, mesmo interpretando inicialmente uma jovem simplória, exalava
refinamento pelos poros. O tipo de mulher que mostrava no olhar a cultura que
priorizava, ainda que soubesse valorizar o supérfluo elegante. Ela era
irresistível, o que torna a química entre ela, William Holden e Humphrey
Bogart, ainda mais interessante. E é interessante descobrir que nos bastidores,
diferente de Holden, que ficou apaixonado por ela, Bogart não gostou tanto da
experiência, reclamando de praticamente tudo e afirmando que ela era lenta em
cena, numa possível demonstração de despeito, já que ele preferia contracenar
com sua esposa Lauren Bacall. Ele acabou entrando no projeto de última hora, em
um papel que seria de Cary Grant.

“A vida é como uma limousine. Tem o banco da frente e o
banco de trás, mas uma janela entre eles”.

 

A filha do motorista, que se escondia nos galhos de uma
árvore para poder se sentir parte, por alguns minutos, das festas refinadas dos
patrões do pai, acaba tendo que se isolar em outra cultura. Ao voltar de Paris,
ela não somente passa a ser notada, como desejada intensamente pelo homem que
ela sempre acreditou amar. O beijo roubado quando criança, numa época em que as
classes sociais felizmente não representam nada, foi o elemento que conduziu os
sonhos românticos da menina. A forma como o roteiro trabalha o limbo social
onde reside Sabrina, “que não pertence a uma mansão, tampouco em uma garagem”,
dá margem para que Wilder brinque com símbolos, como quando a jovem visita o
escritório do sistemático Linus (Bogart), sentando-se em sua poltrona de
trabalho e rodando como uma criança desafiando a autoridade do adulto. Ela é
exatamente a antítese do controle absoluto que o personagem gosta de exercer em
todos os aspectos, sendo mostrado sempre na prática de seu ofício, mesmo
durante uma animada festa em sua mansão. Quando o roteiro mostra sua decepção
ao constatar que o curso de culinária em Paris é regido como uma linha de
produção, com os alunos sendo variações de máquinas que produzem um alimento
padronizado, não é apenas um alívio cômico estratégico, mas uma forma de mostrar
que aquela jovem não será moldada por qualquer interesse externo. O impacto de
alguém tão rebelde na vida de Linus é tremendo, sendo o ingrediente especial de
sensibilidade feminina que o impedirá de ser absorvido irrecuperavelmente pela
máquina industrial, numa analogia para o capitalismo americano, que, tendo a
limousine como metáfora social, depende sempre de alguém no “banco da frente”
conduzindo-o aos seus objetivos.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

1 COMENTÁRIO

  1. Olá Octavio! Assisti os dois filmes e realmente, não tem como comparar o primeiro filme com a refilmagem de Sabrina, a interpretação de Audrey Hepburn, ela era irresistível… Humphrey Bogart com o seu charme inconfundível e particular e o belo William Holden são o máximo. E todos sobre a competente direção de Billy Wilder. Obrigada pelo belo texto, que fez com que eu, viajasse no tempo…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here