Tesouros da Sétima Arte – “A Estranha Passageira” e “John e Mary”

0

bette davis now voyager wispy evening gown cape at table1 - Tesouros da Sétima Arte - "A Estranha Passageira" e "John e Mary"

A Estranha Passageira (Now, Voyager – 1942)

Adaptado do livro de Olive Higgins Prouty, conta a história de Charlotte Vale (Bette Davis), uma mulher tímida devido à sua repreensiva mãe, Mrs. Vale (Gladys Cooper). Emocionalmente perturbada, ela é ajudada por um psiquiatra, Dr. Jaquith (Claude Rains), que a incentiva a fazer mudanças radicais em sua vida.

Um dos cinco melhores trabalhos de Bette Davis, seu maior sucesso comercial, e com certeza um dos melhores romances da década de quarenta, mas infelizmente esquecido nos dias de hoje. Um dos aspectos mais curiosos é que durante o segundo ato ele se
passa no Brasil, garantindo belas imagens do “Pão de Açúcar” e do “Corcovado”, mas também um alívio cômico pra lá de duvidoso, um atrapalhado taxista brasileiro (“mezzo-italiano/mezzo-portunhol”) de nome “Giuseppe”, que pode entrar na seleta lista de representações de tipos mais ofensivos, junto com o asiático vivido por Mickey Rooney em “Bonequinha de Luxo”. O tema que a obra aborda é muito interessante: a influência de uma mãe superprotetora em uma filha submissa. Davis consegue com grande sutileza passear entre a timidez excessiva, o desejo por liberdade ainda com culpas e a resignação redentora ao final.

John2Band2BMary2B1969 - Tesouros da Sétima Arte - "A Estranha Passageira" e "John e Mary"

John e Mary (John and Mary – 1969)

O diretor inglês Peter Yates é normalmente lembrado pelo excelente “Bullit”, com Steve McQueen, mas o filme de sua carreira que mais revisito, sempre com prazer renovado, é esta pequena gema. Já li muitos críticos estrangeiros apontando erros, argumentando que os protagonistas não são desenvolvidos ou que a própria trama não se aprofunda na relação entre os dois. Então qual é a mágica que sobrepuja qualquer defeito que possa ser encontrado, tornando a experiência de rever Dustin Hoffman e Mia Farrow tão prazerosa? Quando um crítico analisa uma obra de arte como se estivesse resolvendo uma equação matemática, acaba racionalizando em excesso e perdendo a sensibilidade para os detalhes.

Os dois jovens se esbarram em um bar, completos estranhos que, sem imaginarem, carregam o mesmo medo, as mesmas preocupações. Ela busca conhecer alguém com quem possa passar uma noite, sem a preocupação de que o homem precise voltar para sua esposa antes do nascer do dia. Ele acabou de ser usado por uma modelo fútil, que se apoderou de seu apartamento por conveniência, não precisaria pegar mais táxi para o trabalho, o que o fez temer este tipo de aproximação, esta entrega emocional plena. Os nomes um do outro, desconhecem. Eles inicialmente buscam conhecer-se analisando discretamente seus pertences pessoais, sempre mantendo diálogos internos muito mais reveladores que os externos, algo resolvido de forma simples e eficiente no roteiro,
similar ao que Woody Allen utilizaria anos depois em seu “Annie Hall”.

Adoro o momento em que ela conta onde e com quem mora, mas vemos a narração pelo ponto de vista dele, o humor é muito bem trabalhado. Fica clara a influência estética dos primeiros filmes europeus da Nouvelle Vague.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here