Rebobinando o VHS – “Hora de Matar” / “O Punho Demolidor”

    0

    Hoje escolhi abordar dois gêneros usualmente subestimados
    pela crítica, o faroeste e o filme de Artes Marciais, torcendo para que essas
    fitas ainda estivessem funcionando.

    1081995 491713420905525 2119023410 n - Rebobinando o VHS - "Hora de Matar" / "O Punho Demolidor"

    Hora de Matar (Il Momento di Uccidere – 1968)

    O Punho Demolidor (Qi lin Zhang – 1973)

    “Hora de Matar”, dirigido por Giuliano Carnimeo (o mesmo de “O
    Rato Humano”, já abordado nesse especial), foi, caso minha memória não esteja
    me pregando uma peça, o meu primeiro faroeste, fora os clássicos de John Wayne
    e os revisionistas modernos, como “Silverado”. Eu me lembro de ter estranhado o
    aspecto sujo da produção, aquelas roupas desgastadas e sem cor, que contrastavam
    bastante com aqueles figurinos coloridos de teatro infantil dos westerns americanos
    em Technicolor. Eu devia ter por volta de doze anos, costumava devorar aqueles
    livros de bolso que eram vendidos nas bancas de jornal, “Chumbo Quente” e “Oeste
    Beijo e Bala”, fazia coleção dos quadrinhos do “Tex”, alguns anos depois eu
    conheci “Blueberry”, enfim, adorava o gênero. Nem preciso dizer que um de meus
    videogames preferidos é “Red Dead Redemption”. E esses filmes realizados na
    Itália transmitiam uma realidade muito próxima daquele universo que eu
    alimentava em minha imaginação. Os roteiros podiam não ser tão elaborados, mas
    compensavam em outros elementos, como ação e trilha sonora. “Walk by my Side”,
    composta por Francesco de Masi, que emoldura os créditos iniciais, gruda no
    ouvido e você fica cantarolando pela casa. Gostava especialmente da cena de
    tiroteio no bar, mérito do diretor de fotografia Stelvio Massi, onde o
    personagem vivido por George Hilton utiliza os espelhos como forma de fazer o
    oponente gastar sua munição. Analisando hoje, a trama é fraca e convencional, o
    filme é ruim, mas o terceiro ato conduz a uma revelação final bem interessante.

    Como posso esquecer o dia em que adquiri o VHS de “O Punho
    Demolidor”? Um símbolo de uma época sem internet, onde era difícil conseguir
    informação sobre qualquer assunto, ainda mais os obscuros. Eu sabia que o Bruce
    Lee tinha completado apenas quatro filmes em sua fase madura, já tinha adicionado
    todos na minha videoteca, mas aquela capa bizarra estampava sua imagem, levando
    a crer que ele fazia parte do elenco, e informava que ele tinha dirigido o
    filme. Até hoje lamento o valor irrisório que gastei. Voltei pra casa e, nem
    esperei muito, coloquei a fita pra rodar no aparelho. A sensação, impossível de
    descrever, era de intenso estranhamento. Além de estar numa qualidade de imagem
    horrorosa, a trama era lamentável, arrastada, com um protagonista sem o mínimo
    de carisma necessário, em suma, uma tragédia. E, o que mais me incomodava, eu
    não tinha reconhecido o Bruce Lee nas cenas. Nos últimos segundos, quando já
    estava me dirigindo pra frente da televisão, pronto para ejetar aquela fita e
    tacá-la pela janela, uma inserção rápida, com alguém que parecia o saudoso
    dragão abraçado a uma criança em um set de filmagem. Meus olhos esbugalharam,
    encostei o rosto na tela de dezesseis polegadas e apertei o rew.

    Anos depois, com uma pesquisa rápida na internet, descobri
    que ele apenas aceitou ajudar na coreografia das cenas de luta, pela amizade de
    infância que tinha com o protagonista Sheau Chyh Lin, mas que odiou o resultado
    e a forma como a produção tentou capitalizar utilizando sua fama. A produtora
    Starsea Motion Pictures ofereceu a oportunidade para o rapaz, desconhecido como
    ator e lutador, com a garantia de que ele iria dar um jeito de colocar Lee no
    projeto. A tal cena que descrevi, por incrível que pareça, foi filmada
    secretamente, enquanto o astro ajudava nas filmagens. Uma exploração que não
    seria a única na carreira dele, já que, mesmo após sua morte, os estúdios continuariam
    realizando filmes com sósias, “Bruce Li”, “Bruce Le” e “Dragon Lee”, entre
    outros, um fenômeno curioso e de extremo mau gosto.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here