TOP – 2014

    1

    1– Ela (Her), de Spike Jonze

    “… O que nos faz humanos? A capacidade de sermos afetados
    pelo outro, sentir compaixão e desejo. O protagonista vivido por Joaquin
    Phoenix trabalha inserindo emoções no subconsciente de estranhos, criando
    cartas escritas à mão para seus clientes. O futuro se mostra através de
    aparatos tecnológicos requintados, mas a realidade dos homens é exatamente a
    que vivemos hoje: pessoas que se cruzam nas ruas e não se encaram; corpos
    carentes de calor humano mesmo quando próximos. A terrível solidão que se
    experimenta em grupo. Num toque de gênio, Jonze encaminha o protagonista a uma
    situação crucial, onde tendo a opção de, com a permissão de sua parceira,
    experimentar o sexo fisicamente com uma substituta, ele a considera algo menos
    real, incapaz de emular com ela os sentimentos que compartilha diariamente com
    Samantha. Ciúme, insegurança, medo. Autênticas emoções que nascem do convívio,
    nos longos momentos de cumplicidade serena após a usual satisfação sexual dos
    primeiros meses de uma relação. Ao lembrar-se de sua esposa, vivida por Rooney
    Mara (ele se recusa a formalizar o divórcio, mesmo sabendo que não há mais
    possibilidade de retorno), ele percebe que está apenas ativando uma versão dela
    em sua memória afetiva, algo facilmente manipulável. A nostalgia embeleza tudo
    o que toca. O que é, afinal, real? Como quando sentimos pena na poética morte
    de HAL 9000 no clássico de Stanley Kubrick, acabamos nos surpreendendo com o
    nível de afeto que desenvolvemos ao longo da trama pelo casal…”

    boyhood linklater 14233 1 - TOP - 2014

    2– Boyhood – Da Infância à Juventude (Boyhood), de
    Richard Linklater

    “… Parafraseando John Lennon, a vida é aquilo que acontece
    enquanto você está ocupado com outros planos. A breve e cruel experiência do
    aprender a desapegar, necessitando superar obstáculos que nos surpreendem nos
    momentos mais improváveis. Uma sucessão de erros e acertos cometidos por
    estranhos seres complexos que se descobrem compartilhando um mesmo universo de
    incertezas, unidos em uma sinfonia diária de perguntas cujas respostas nunca
    são encontradas. O diretor Richard Linklater ousou tentar decodificar esse
    enigma existencial em um projeto ambicioso em escala, mas com uma sensibilidade
    minimalista, capturando ao longo de quase doze anos as mudanças na vida do
    protagonista, a jornada fascinante que o leva da inocência de sua infância à
    maturidade precoce em sua juventude. O filme é impressionante na forma como nos
    faz refletir sobre nossas próprias vidas, sem apelar para os recursos
    emocionais tradicionais, resultando em um lindo e único retrato proustiano das
    várias etapas na formação do homem…”

    All Is Lost - TOP - 2014

    3- Até o Fim (All is Lost), de J.C. Chandor

    “… É espantosa a precisão de Chandor, responsável
    pelo roteiro e direção, ao narrar essa batalha do homem contra as forças da
    natureza. Tendo passado por uma experiência quase fatal na adolescência, quando
    conseguiu se desprender das ferragens de seu carro, após uma forte colisão, ele
    constrói nesse filme uma fascinante parábola sobre a fragilidade da
    mortalidade, sobre a beleza triste de um homem que lamenta sua própria morte. Ponto
    essencial de ruptura: Não precisamos nos conectar emocionalmente com o
    personagem. O roteiro não perde tempo em flashbacks idílicos, sequer introduz
    dicas consideráveis sobre a vida do homem de quem não sabemos o nome. A
    Virginia Jean que dá nome ao barco pode ser sua esposa, sua mãe, sua filha ou
    ninguém em especial, não importa. O anel em seu dedo pode ser uma aliança, como
    também pode não simbolizar coisa alguma. Com exceção da narração no início, que
    pode ser direcionada a alguém ou à sua própria consciência, o filme
    praticamente é todo estruturado em silêncio. Cada espectador irá criar sua
    própria história sobre o homem e suas motivações. Não existe o elemento da
    outridade, clichê em qualquer obra similar. Até mesmo Ernest Hemingway
    presenteou o seu Santiago com um espadarte que lhe serviu de confidente
    silencioso. O homem que acompanhamos não interage ou interdepende de ninguém.
    Ele apenas existe a partir do outro, nesse caso, o espectador. No horizonte se
    insinua cada vez mais ameaçadora uma devastadora tempestade, que aniquilaria
    facilmente o barco mais resistente, um destino inevitável, como a morte. O
    barco de nosso Sísifo fica cada vez mais desgastado, após cada obstáculo
    superado, mas existe alguma força inexplicável que, contra todas as
    probabilidades, mantém o homem acreditando que aquele “corpo” irá resistir.
    Numa analogia ao O Velho e o Mar, o homem é o peixe, restando ao final apenas a
    alma. Apenas?…”

    enemy villeneuve gyllenhaal 604x272 - TOP - 2014

    4- O Homem Duplicado (Enemy), de Denis Villeneuve

    “… O roteiro capta sutis analogias do autor ao
    totalitarismo e, como em toda fábula, as potencializa generosamente. Conhecemos
    o professor exatamente enquanto ele tentava ensinar aos seus alunos sobre a
    obsessão do Estado em controlar o povo, entregando pão e circo e mantendo-os
    ignorantes, pois é mais fácil manipular um gado com preguiça de pensar. Como
    educador, ele é o principal alvo daqueles que tencionam o regime ditatorial, já
    que é o responsável por incitar nos jovens o estímulo ao questionamento.
    Tomadas rápidas mostram o que parece ser uma teia de aranha sobre a cidade,
    ilusão criada pelo ângulo da câmera ao focar simples cabos elétricos. Em outro
    momento, uma rápida tomada aérea transforma vários prédios em um imenso
    labirinto, reforçando a batalha diária dos indivíduos que se espremem pelos corredores,
    muitas vezes sem encontrar sentido para tal esforço. Uma teia que anestesia
    enquanto sufoca gradativamente sua vítima. O totalitarismo, nas palavras do
    próprio professor, tolhe todas as formas de expressão individual, exatamente o
    que ocorre com ele quando descobre surpreso que não é mais um indivíduo, que
    existe uma duplicata exata sua, uma perfeita antítese, vivendo uma vida de
    aventuras, um artista especialista em representar outros papéis…”

    3027812 inline i 6 adam stockhausen grand budapest hotel - TOP - 2014

    5- O Grande Hotel Budapeste (The Grand Hotel Budapest),
    de Wes Anderson

    “… Existe um pouco da elegância cômica de Ernst Lubitsch,
    uma melancolia que ecoa a de O Tempo Redescoberto de Marcel Proust, criativas
    gags sonoras que remetem a Jacques Tati, uma respeitosa reverência à fictícia
    Freedonia dos Irmãos Marx, até mais explicitamente uma homenagem a Blake
    Edwards, em uma das situações mais engraçadas no terceiro ato e na inspiração
    em Clouseau, eterno Peter Sellers, nos trejeitos do personagem de Ralph
    Fiennes, mas também vejo grande similaridade com a abordagem metafórica, proposta
    por Vicki Baum em seu livro Grande Hotel, do estabelecimento de hospedagem como
    um microcosmo humano, um personagem que respira e evolui na história. O aspecto
    fabulesco, realçado pelo estilo visual inimitável do diretor, com a fotografia
    do usual parceiro Robert Yeoman, e pelo constante uso dos cenários pintados na
    paisagem, evidencia ainda mais a contundência emocional da mensagem, que se
    revela cada vez mais tocante em revisões.Somos presenteados com uma trama
    que é apresentada pela ótica criativa do autor, as lembranças que ele conta a
    partir das lembranças do dono do hotel, enquanto jovem impressionável, vivido
    por F. Murray Abraham e pelo promissor estreante Tony Revolori. Esse recurso
    narrativo possibilita, com o auxílio de uma espécie de MacGuffin, o quadro do
    garoto com a maçã, uma intensa experimentação com vários gêneros, como o filme
    de espionagem, o filme de prisão, o giallo italiano, a comédia pastelão e até o
    terror, representado especialmente pelo personagem vivido por Willem Dafoe…”

    720x405 gone girl DF 01826cc rgb - TOP - 2014

    6- Garota Exemplar (Gone Girl), de David Fincher

    “… Falar sobre a trama, nesse caso, é um desserviço à
    obra, que se beneficia com a ignorância do espectador. A desconstrução de um
    modo de vida, onde o diretor flerta cinicamente com os clichês do gênero,
    exibindo a ferida aberta na imprensa sensacionalista, a manipulação da opinião
    pública, a teatralidade das investigações do desaparecimento da jovem, elemento
    que se confunde à teatralidade nos relacionamentos, simbolizado pelo ritual do
    casamento…”

    o lobo atras da porta 1 - TOP - 2014

    7- O Lobo Atrás da Porta, de Fernando Coimbra

    “… O filme é autoral e minimalista, mas inteligentemente
    não é anti-indústria. O impactante resultado final incita naturalmente o boca a
    boca no espectador, mérito exatamente das convenções do gênero bem executadas
    que a obra abraça. Não saberia por onde começar os elogios às atuações de
    Leandra Leal e Milhem Cortaz. A bela e talentosa atriz entrega um desempenho
    assustador, transmitindo na sutileza de olhares a vulnerabilidade da
    personagem, atravessando os diversos estágios psicológicos de seu arco
    narrativo, indo da doçura à intensa crueldade em questão de segundos. Até mesmo
    o personagem vivido por Emiliano Queiroz, aparecendo pouco e sem dizer uma
    palavra, acaba se mostrando narrativamente essencial no entendimento do enigma
    comportamental que envolve a protagonista. Cortaz continua sendo uma força da
    natureza, praticante da difícil arte de fazer todos os diálogos do roteiro
    soarem como improvisos naturais, sempre com um toque de ironia. Ele vive um
    homem preso em um relacionamento desgastado, que acaba encontrando a injeção de
    ânimo no arriscado desafio amoroso que enxerga numa jovem que conheceu num
    transporte público, um simbólico motivo condutor do roteiro e que se apresenta
    desde os créditos iniciais até o desfecho, representando o fator desconhecido
    que se esconde nas várias encruzilhadas decisórias diárias na vida de todo
    indivíduo…”

    Inside Llewyn Davis 010 - TOP - 2014

    8- A Balada de um Homem Comum
    (Inside Llewin Davis), de Joel e Ethan Coen

    “… Com uma direção de fotografia inspirada na capa do
    disco The Freewheelin, de Bob Dylan, a trama, com toques do humor
    característico dos irmãos Coen, evidencia a angústia diária de um músico criativo
    enfrentando a mediocridade em sua indústria, que celebra canções padronizadas
    defendidas por artistas de barro, sem personalidade e estofo cultural. A
    narrativa conscientemente lenta, com todas as canções apresentadas na íntegra, estabelece
    um tom quase fúnebre, como se estivéssemos assistindo a gradativa morte dos
    sonhos profissionais do personagem, que, incapaz de conviver em harmonia com
    seus semelhantes, acaba se entregando emocionalmente ao elemento inesperado, um
    gato que cruza seu caminho por acidente. Mas o sorriso se mantém no rosto do
    espectador, já que seu fracasso consiste em não se vender para o esquema
    asqueroso do mercado. Mesmo perdendo, ele está ganhando…”

    cena do filme sobrevivente do diretor baltasar kormakur 1405555121606 956x500 - TOP - 2014

    9– Sobrevivente (Djúpið), de Baltasar Kormákur

    “… O sentimento de desajuste social, sua timidez perante
    as câmeras, sua resiliência ao negar qualquer modificação pessoal causada pela
    tragédia, são elementos que demonstram a negação consciente do protagonista em
    ser transformado em um estereótipo de heroísmo por estranhos financeiramente
    interessados na eterna lembrança de sua desgraça. Ele viveu um momento ruim,
    mas isso não modificou sua essência, não fez com que ele se tornasse alguém
    mais interessante socialmente. Como ele mesmo insinua em uma cena, ninguém
    realmente se importa com o que aconteceu, tudo não passa de uma estatística
    midiática para preencher temporariamente as páginas dos jornais com manchetes
    sensacionalistas. Gulli nunca temeu a morte e recusa a falsidade daqueles que
    se aproximam dele pelo herói que ele nunca foi, ele quer apenas ser esquecido
    pelos urubus sociais, voltar ao trabalho e ao convívio diário com seu cachorro…”

    Guardians of the Galaxy Behind The Scenes 4 - TOP - 2014

    10- Guardiões da Galáxia (Guardians of the Galaxy), de
    James Gunn

    “… Ao se conectar com seu passado através de um objeto tão
    frágil como um toca-fitas, Quill nos evidencia que sua anarquia é uma resposta
    imatura para os obstáculos da vida adulta. A lembrança triste da morte de sua
    infância, com seu desapegar forçado da mãe, não pode ser empecilho para a
    aceitação de sua missão ao lado de seus novos amigos. Somente quando ele abraça
    essa constatação, optando por verter a lágrima ao invés de retê-la, o jovem se
    mostra preparado para singrar o espaço sideral, como Luke Skywalker ao aceitar
    deixar seu conforto para acompanhar Ben Kenobi. É o clássico conto de
    amadurecimento que se repete a cada geração…”

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    1 COMENTÁRIO

    1. Otavio, listas são ótimas e muito legais. Segue a minha…
      1 – Vidas ao Vento
      2 – O Lobo Atrás da Porta
      3 – O Lobo de Wall Street
      4 – Ela
      5 – Boyhood
      6 – Nebraska
      7 – Instinto Materno
      8 – Quando eu Era Vivo
      9 – Ida
      10 – Inside Llewyn Davis

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here