“O Jogador”, de Robert Altman


O Jogador (The Player – 1992)
O longo plano-sequência que inicia a obra, que é visto por
muitos como uma homenagem reverente ao plano inicial de “A Marca da Maldade”,
de Orson Welles, eu considero uma tremenda crítica de Robert Altman, que
escolhe estabelecer o tom de ironia logo nos primeiros minutos. A
artificialidade que reflete o pior de Hollywood, o estilo chamando mais atenção
que o conteúdo, ou, numa definição mais objetiva, o tratamento de algo banal
com um verniz de grande importância. 
O executivo que enxerga a produção
cinematográfica apenas como uma possibilidade de flertar com belas atrizes, o
lobby agressivo e calculado, o bajulador que, pelas costas, ninguém suporta, são
variações do comportamento padrão nessas relações mentirosas e superficiais que
o roteiro sublinha em cenas com um precioso senso de humor. Altman afirma que não
é possível estimular a criatividade, elemento essencial na manutenção de uma indústria,
quando a integridade artística é eclipsada por um embate de interesses
antagônicos à própria arte, como na cena em que o roteirista assume ter mudado
completamente sua ideologia, que defendia a ausência de finais felizes e
estrelas famosas, após perceber que ganharia mais dinheiro abraçando a opção
dos produtores. 
O artista não é um trabalhador comum, ele precisa entregar
aquilo que o público não espera encontrar, algo que ele nunca imaginou que
precisaria. O ato de correr riscos é imprescindível, exatamente uma antítese da
atitude do personagem vivido com competência por Tim Robbins, um produtor que
precisa ser convencido a apostar no projeto dos sonhos de estranhos, após
escutar, sem muita atenção, um resumo de vinte e cinco palavras ou menos,
transformando o cinema em ordinário esforço publicitário, um jogo onde as
ideias mais impactantes são compradas, duas linhas em um roteiro de páginas em
branco. A velha Hollywood, aquela elegância, celebrada nostalgicamente pelo
escritor dos cartões ameaçadores, já havia morrido na época do filme, que
aponta, em seu impecável desfecho, o rumo acomodado dessa nova Hollywood. E,
profético, o roteiro já apontava para uma indústria cada vez mais escrava das
estatísticas, que escolhe os rumos de uma trama mediante o gosto popular,
buscando apenas satisfazer o público, entregando, empacotado e com um belo laço
de fita, exatamente o produto requisitado pelos pagantes na fila do fast-food. 
É
o panorama que vemos hoje, com a banalização das refilmagens, conceitos de
sucesso já garantido sendo reutilizados, reboots de obras realizadas há poucos
anos. Altman, num toque de gênio, escolhe convidar grandes nomes da era de ouro
para esse divertido velório do cinema de sua geração, colocando Jack Lemmon, ao
piano, como responsável pelo réquiem. “O Jogador” pode não ser o filme mais
perfeito do diretor, mas, sem dúvida, é meu favorito em sua filmografia. 
* O filme está sendo lançado em DVD, com um ótimo documentário, pela distribuidora “Versátil”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *