Cine Noir – “O Ídolo Caído”, de Carol Reed

0

O Ídolo Caído (The Fallen Idol – 1948)

Phillipe, filho de um diplomata, faz amizade com Baines (Ralph Richardson), o mordomo da embaixada. Baines conta-lhe tremendas histórias, onde sobressai seu heroísmo, e torna-se o ídolo do garoto. Quando a esposa morre, o menino começa a suspeitar dele. Daí, para protegê-lo, Phillipe tenta confundir a polícia com pistas inventadas.

O filme, parcialmente financiado por David Selznick, foi o primeiro de três produções importantes que resultaram da parceria entre o diretor Carol Reed e o escritor Graham Greene. Normalmente eclipsado pelo célebre “O Terceiro Homem”, esse precioso thriller, contado pelo ponto de vista de um menino de oito anos, merece ser mais celebrado.

O que me encanta nele é a forma como o roteiro se divide em duas realidades: os eventos como realmente são, em sua simplicidade desinteressante, e os mesmos eventos absorvidos e codificados pela inocência da criança, vivida de forma impecável por Bobby Henrey. E essa particularidade da obra ganha pontos com a opção tradicional de Reed pelo enquadramento com ângulos inclinados, o “Dutch Angle”, que sempre agrega estranhamento e um senso onírico às cenas.

Esta dualidade é muito bem representada na trilha sonora de William Alwyn, injustamente pouco lembrado hoje em dia, como na cena onde o menino flagra o encontro do mordomo com sua amante, vivida por Michèle Morgan, com o compositor traduzindo o sentimento da paixão reprimida com uma base delicada no violoncelo, respondida por uma variação do tema principal no violino, numa representação das emoções que estão em jogo no momento.

A amizade entre o garoto e o mordomo nasce de uma profunda identificação, um sentimento de solidão que ambos compartilham: o adulto que se sente preso a uma relação conjugal vazia; a criança que não conheceu a mãe e que tem, na figura do pai, a dor da ausência de alguém que prioriza o trabalho e vive fora de casa.

A Sra. Baines, impecável Sonia Dresdel, inicialmente mostrada nas sombras, deveria constar nas listas de personagens mais cruéis do cinema, exercendo pura insensibilidade sádica como forma de extravasar sua frustração matrimonial.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here