“Whiplash – Em Busca da Perfeição”, de Damien Chazelle

    0

    Whiplash – Em Busca da Perfeição (Whiplash – 2014)

    A trama é trivial, cabe perfeitamente numa descompromissada “Sessão
    da Tarde”, mas, não há como negar, a sua execução é um primor. Como o boxe no “Rocky”,
    de Stallone, o jazz em “Whiplash” é uma metáfora para conflitos que todos nós,
    em variados níveis, enfrentamos na vida. Acho engraçado que alguns críticos
    estrangeiros tenham citado como demérito a visão caricatural do gênero,
    parafraseando a expressão mais utilizada nos textos: “grotesca”. É o mesmo
    equívoco tolo daqueles que reclamam que a quantidade de socos trocados nas
    lutas do garanhão italiano não condiz com a realidade do pugilismo. O interesse
    do diretor e roteirista Damien Chazelle está na transformação interna do jovem
    vivido por Miles Teller, alguém com baixíssima autoestima, que, de forma
    inconsciente, sempre colocou a culpa de seus problemas em outrem.

    Solitário, carece da chama de segurança que facilita a saudável
    interação social. Ele tem um sonho artístico, idolatra o baterista Buddy Rich,
    porém, não encontra um sorriso acolhedor de aceitação na figura de seus
    familiares. E o erro dele era exatamente essa necessidade por aceitação. O
    responsável pela sinalização desse erro estrutural aparece na figura do mestre,
    vivido de forma impecável por J.K. Simmons. O nível de agressividade dele, algo
    que poucos levam em consideração, é equivalente ao nível de conformismo
    patético do aprendiz. O sadismo de suas atitudes, em alguns momentos,
    ultrapassa os limites, escancara a antinaturalidade da alegoria. Só a mensagem
    importa. As críticas costumam apontar esse aspecto na relação da dupla como
    pura brutalidade e humilhação, citando que o professor deveria ensinar o aluno
    a amar a música, falhando em compreender a real mensagem do filme, e,
    principalmente, que o exagero faz parte do processo metafórico.

    O mestre percebe o talento do aprendiz, em um cenário onde
    muitos são comuns. Ele também constata o apego do jovem pela autocomiseração,
    enxergando nesse vitimismo um obstáculo fatal em sua jornada. Todo seu inegável
    esforço seria em vão, ele sempre iria perder lugar para outros artistas, até
    menos talentosos, porém, com maior segurança emocional. A única maneira de
    despertar o garoto é instigando nele o ódio, a revolta, o desejo abrasivo pelo
    revide. O “olho de tigre” que Rocky precisou conquistar para vencer o oponente
    que o havia derrotado no terceiro projeto da franquia. Chazelle se apropria
    dessa fórmula altamente sensorial, estabelecendo um admirável senso de ritmo, conduzindo
    o público para um desfecho verdadeiramente empolgante. E considero brilhante o
    fato de que, ao final, o diretor escolhe ignorar os aplausos, cortando sem
    piedade o reconhecimento da plateia. Com essa inteligente opção, o roteiro
    evidencia que o jovem conquistou a confiança em seu trabalho, a grande mensagem
    da trama. Ele simplesmente não se importava mais com a opinião dos outros. O
    mestre então sorri para ele.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here