Guilty Pleasures – “Psicose 2” e “Psicose 3”

    2

    Link para os textos do especial:

    http://www.devotudoaocinema.com.br/p/guilty-pleasures.html

    Psicose 2 (Psycho 2 – 1983)

    Psicose 3 (Psycho 3 – 1986)

    O segundo tem sua parcela de fãs, o que, sinceramente, não
    consigo compreender. Ele pode até funcionar medianamente enquanto suspense,
    mas, com a revelação bombástica do terceiro ato, onde Norman Bates descobre que
    sua mãe no original não era a sua verdadeira mãe, convenhamos, sem exagero, o
    roteiro cospe na cara de Alfred Hitchcock e do autor Robert Bloch, que havia
    escrito uma excelente continuação, que não foi aproveitada na trama, uma
    crítica bem-humorada ao cinema de terror comodista que os norte-americanos
    realizavam no período.

    O livro era uma tirada de sarro com a indústria, uma espécie
    de gozação com a necessidade mercadológica de lucrar com um projeto tão
    desnecessário quanto aquela refilmagem posterior comandada por Gus Van Sant. Já
    o filme, ainda que seja protagonizado por Anthony Perkins e uma encantadora Meg
    Tilly, esquece praticamente tudo o que foi estabelecido sobre o personagem no
    original. Ao invés do suspense e do uso da sugestão, o diretor Richard
    Franklin, filmando às pressas, transforma o protagonista, tridimensional no
    clássico e unidimensional nessa releitura, em uma atração interessante para o
    público jovem que vibrava com as mortes perpetradas por Jason Voorhees. O
    assassino perturbado vira um gentil candidato a funcionário do mês numa
    lanchonete, uma ideia que, por si só, já é um atentado à suspensão de
    descrença. A relação dele com a bela colega de trabalho, uma jovem que, na
    realidade, tinha a intenção de facilitar o caminho dele de volta para a
    insanidade, é tão inverossímil quanto os termos de sua liberação da
    penitenciária. Ela, em questão de dias, simpatiza com o colega e, num ato de
    incrível ingenuidade, começa a extravasar seus instintos maternos com ele.

    O terceiro, terrivelmente mal dirigido por Perkins,
    retomaria, sem sutileza, algumas características de Bates, como o apreço pela
    taxidermia, porém, na maior parte do tempo, parece mais preocupado em proporcionar
    momentos de nudez gratuita. Uma cena, em especial, abusa do exploitation,
    quando uma jovem vítima tira o blusão na cabine telefônica, sem motivo algum,
    antes de ser esfaqueada. E, para reforçar o impacto, a cena insere um gore
    tolo, com ela pisando em cacos de vidro. Vale salientar que o mestre Hitchcock,
    no original, criou a cena imortal do banheiro, impactante até hoje, sem mostrar
    o facão penetrando o corpo de Janet Leigh. E, falando nela, acho bizarra a
    subtrama da freira fugitiva, que acaba atravessando o caminho de Norman, que
    fica obcecado por ela, já que é loira, com o mesmo corte de cabelo de Marion Crane,
    e, numa forçada de barra espetacular, tem as mesmas iniciais do nome: Maureen
    Coyle. O roteiro nos conduz a um final que, ouso dizer, está entre os mais
    toscos já imaginados no gênero. Nada é mais constrangedor do que ver um ótimo
    ator como Perkins, símbolo da era de ouro do cinema, acarinhando o braço
    decepado de sua mãe, enquanto repete aquele sorriso sombrio da cena final do
    filme original. É, literalmente, fim de carreira.

    Os dois filmes são horríveis, indefensáveis, mas, por uma
    estranha razão, paro para assistir quando estão passando na televisão. O
    terceiro é praticamente uma comédia involuntária. A cena final do segundo, com
    Bates metendo uma pazada na cabeça da velhinha, é o único momento genuinamente
    interessante dos dois filmes. O ator chegou a retomar o personagem em uma sofrível
    quarta produção: “Psicose 4 – A Revelação”, provando que não tinha o menor
    senso crítico.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    2 COMENTÁRIOS

    1. Nunca tive coragem de assistir as continuações de Psycho em razão de breves críticas lidas. Nelas todos os comentários trazem uma perspectiva tão negativa das produções subsequentes que temo destruir todo afago nutrido pela obra originária. Ocorre que, ultimamente um instinto quase incontrolável tem me perturbado – muito parecidamente com a obsessão de Norman por Norma hahaha-, para assistir, e quem sabe em um mesmo dia, todos os demais. Façamos o seguinte, quando eu assisti-los, caso consiga, volto para discutirmos Octavio.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here