Tesouros da Sétima Arte – “Frances”, de Graeme Clifford

0

Frances (1982)

Uma atriz da era de ouro de Hollywood, elogiada por Cecil B. de Mille e Howard Hawks, que foi tema de uma canção do grupo Nirvana, uma mulher corajosa e de opiniões fortes que peitava seus superiores e não conseguia fazer o tipo recatado e permissivo das suas colegas. Uma história controversa que ainda não foi solucionada: Frances Farmer, em uma de suas passagens pelo hospital psiquiátrico, foi vítima de uma lobotomia transorbital?

O livro “Shadowland” que foi adaptado no roteiro evidencia esta cruel experiência, mas outros estudos feitos desde então negam este acontecimento na vida dela. A cena que ocorre no clímax do filme é destruidora, potencializada pela frieza do médico e o estado de consciência da paciente. Alguns anos antes o cinema havia abordado o tema no maravilhoso “Um Estranho no Ninho”, mas com menor impacto.

Analisando os registros em vídeo da atriz pós-internação, como em um episódio de “This is Your Life” que pode ser encontrado no Youtube, e que foi reencenado no desfecho do filme, é difícil negar, fica perceptível que aquela figura plácida e distante não se assemelha em nada à personalidade forte que venceu na indústria anos antes, ela havia sido artificialmente domada. E a fotografia do grande László Kovács ajuda a salientar esta transformação retirando nessa sequência final a luz dos olhos da personagem.

A direção de Graeme Clifford é impecável, não dá para entender porque ele se focou depois do filme em produções televisivas. A trilha sonora de John Barry, com um bonito tema em gaita, reforça a elegância do projeto. Jessica Lange entrega a melhor atuação de sua carreira, e vou mais longe, considero um dos melhores momentos de uma atriz na história do cinema. É impressionante como ela compõe o arco narrativo, de sua rebeldia infanto-juvenil da época de escola, passando pelo auge da segurança profissional como atriz, até a destruição progressiva de seus alicerces psicológicos.

Vale destacar a participação da veterana Kim Stanley, de “A Farsa Diabólica”, como a perturbada mãe de Frances, uma mulher que parecia estar mais interessada no luxo advindo da profissão da filha. O embate entre as duas na porta de casa, uma das muitas cenas inesquecíveis, expõe as vísceras de um relacionamento podre, em que o interesse da mãe nunca estava na felicidade da filha, mas, sim, em qualquer recurso que a fizesse retornar o mais rápido possível para o radar dos estúdios de cinema.

“Frances”, quase sempre esquecido, merece constar nas listas de melhores filmes de sua década. Uma cinebiografia rara, que não simplifica os altos e baixos de sua homenageada, ressaltando sempre que, por piores que fossem as atitudes de outrem, a grande inimiga de Frances era a própria Frances. Um retrato fascinante de uma artista que lutou até o último segundo por suas convicções.

  • O filme não está em plataformas de streaming, mas pode ser encontrado em DVD e, claro, garimpando na internet.

RECOMENDAMOS



Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here