Um pouco de
lucidez, uma reflexão simples: O ato de censurar arte é sintoma de um sistema
desprezível composto por indivíduos claramente desequilibrados emocionalmente,
movidos pelo instinto baixo de traçar uma linha imaginária na areia e defender
que algo não deve ser considerado relevante (questão de opinião que deve ser
respeitada) e, por conseguinte, não merece existir (algo indefensável). Nem
mesmo o argumento moralista utilizado desta feita é novidade, a Alemanha
nazista e sua exposição “Arte Degenerada” já segregava pintores como
Picasso e Matisse na década de 30. Ray Bradbury mostrava em seu
“Fahrenheit 451” uma sociedade distópica em que todos os livros eram
queimados, obra adaptada para o cinema por François Truffaut em 1966. O tempo
passou, mas os seres humanos seguem chafurdando na lama da estupidez. É
vergonhoso que este tipo de coisa ainda suscite discussões em 2017.

RECOMENDAMOS



Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui