O belíssimo “Os Girassóis da Rússia”, de Vittorio De Sica

3

Os Girassóis da Rússia (I Girasoli – 1970)

A história de um casal separado pela Segunda Guerra. Após anos sem notícias, Giovanna (Sophia Loren) viaja para a Rússia em busca do marido, Antonio (Marcello Mastroianni), atravessando cidades e campos de girassóis. Quando enfim ela o encontra, percebe que algo mudou entre eles.

Quando eu tive o prazer de entrevistar para o “Devo Tudo ao Cinema” a filha do saudoso compositor Henry Mancini, a cantora Monica Mancini, num dos papos prévios, contei a ela que uma das primeiras lembranças da música dele em minha vida foi o tema de “Os Girassóis da Rússia”, que considero até superior ao próprio filme. Ao rever recentemente, agora finalmente em uma cópia linda em Blu-ray, a obra cresceu muito, as versões anteriores com imagem prejudicada e com enquadramento distorcido infelizmente atrapalhavam a minha análise. Não é o melhor trabalho do diretor Vittorio De Sica, mas é, sem dúvida, um de seus momentos mais sensíveis e poéticos.

A simbologia dos girassóis, que germinam no solo que guarda os corpos dos soldados, a beleza inspiradora que nasce como resposta ao indesejado, porém, necessário combate. Antonio até tenta fugir da convocação fingindo ser louco, com a ajuda da esposa, mas a farsa é descoberta. Se o conflito separou o casal, modificou drasticamente as suas vidas, também forjou à ferro e fogo seus caracteres, basta comparar a atitude egoísta e impulsiva deles no leve e descompromissado primeiro ato, conscientemente filmado em tom cômico, caricatural, com o amadurecimento deles no desfecho (a frase dela: “percebi que se pode viver até sem amor”), já inseridos em uma sociedade livre da ditadura stalinista. A fotografia outonal do grande Giuseppe Rotunno reforça este contraste.

É um final triste? Sim, o amor foi interrompido, a melancólica figura do trem na estação como leitmotiv visual que se repete, salientando a transitoriedade da existência, mas ambos utilizaram o sofrimento como ponte de adaptação às novas realidades, e, principalmente, sem esconder as cicatrizes. Se Giovanna inicialmente foge do enfrentamento, adentrando o trem chorosa, logo depois compreende que o sentimento não deve ser infantilmente negado.

A elegância da jovem nova esposa de Antonio, Mascia (Lyudmila Saveleva), percebendo que o amado sofre, permitindo que ele se reencontre com Giovanna, emociona pela grandeza da atitude, representada na entrega da atriz, cujos olhos na cena encapsulam um oceano de angústia. O roteiro de Tonino Guerra e Cesare Zavattini ganha pontos por enfatizar que a dor também é instrumento de aprendizado. Adultos que precisam lidar com os efeitos psicologicamente devastadores da guerra, algo que ninguém deseja vivenciar, mas que, como tudo na vida, precisa ser encarado com lucidez.

O filme e seu diretor foram apedrejados em seu país à época da estreia porque o projeto não era contaminado por ideologia política, o interesse de De Sica era emocionar o público, ao contrário de seus colegas que utilizavam cinema como muleta politiqueira. O resultado? “Os Girassóis da Rússia” conquistou fãs fiéis e segue sendo amado mundialmente, enquanto boa parte das fitas engajadas do período seguem sendo obscuros antídotos para a insônia.

Trilha sonora composta pelo grande Henry Mancini:

RECOMENDAMOS



Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

3 COMENTÁRIOS

  1. Tinha 16 anos quando assisti esse filme. A sala de cinema em silêncio, a música maravilhosa, as cenas tão tristes…Quando as luzes acenderam-se pude ver as pessoas tristes com lágrimas escorrendo pelo rosto como orvalho, num fim de tarde sem sol…Nunca esquecerei essa experiência!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here