Crítica de “Estou Pensando em Acabar com Tudo”, de Charlie Kaufman, na NETFLIX

0

Estou Pensando em Acabar com Tudo (I’m Thinking of Ending Things – 2020)

Uma jovem, Lucy (Jessie Buckley), vai com o namorado, Jake (Jesse Plemons), conhecer os pais dele (Toni Collette e David Thewlis) em uma fazenda remota e embarca em uma viagem para dentro de seu próprio psiquismo.

No início, a câmera passeia pelo ambiente e mostra a pintura do alemão Caspar David Friedrich, “Caminhante sobre o Mar de Névoa”, emoldurada na parede da casa. Um detalhe que pode passar despercebido, mas que evidencia o leitmotiv, o olhar romântico sobre o futuro desconhecido.

“A mudança requer energia, determinação…”

O roteirista/diretor Charlie Kaufman, mente brilhante por trás de pérolas como “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças”, “Adaptação” e “Quero Ser John Malkovich”, adapta livremente o livro homônimo do canadense Iain Reid, que pretendo ler o mais rápido possível, raros são os projetos atuais que causam esta sensação.

rassegna stampa 17 luglio i m thinking of ending things charlie kaufman 1 scaled - Crítica de "Estou Pensando em Acabar com Tudo", de Charlie Kaufman, na NETFLIX

O falatório intenso nos primeiros 20 minutos, durante a longa viagem de carro, já servirá para afastar uma parte expressiva do público imediatista, aquele que busca raso entretenimento, parece até que foi pensada com este propósito, Kaufman jamais subestima a inteligência de seu público, ele não faz concessões mercadológicas.

A fotografia do polonês Łukasz Żal utiliza o enquadramento Academy Ratio (“quadrado”, que encaixava perfeitamente nas televisões antigas) para enfatizar a claustrofobia existencial. A atmosfera inicial de suspense, até com toques de terror, conduz a trama sem pressa em sua proposta psicologicamente labiríntica, que convida o espectador à autorreflexão.

“É uma fantasia exclusivamente humana ter esperança…”

Na intenção de ilustrar o papel da arte na vida, ele utiliza metalinguagem ironizando o estilo melodramático pueril (e puramente comercial) do diretor Robert Zemeckis, inserindo um trecho farsesco de um filme sobre uma garçonete vegana que perde o emprego por causa do excesso de sinceridade de seu namorado. A confusão se resolve, claro, com uma simples declaração de amor, a ilusão escapista proporcionada pelos finais felizes hollywoodianos.

Várias referências diretas de filmes e bastidores da indústria, incluindo discussões profundas sobre simbologia de cenas em momentos improváveis, ecoando a exposição de um livro da saudosa crítica de cinema Pauline Kael (logo, mais que apreço, um interesse apaixonado pelo tema) no “quarto da infância”, situações que rimam sutilmente, dicas que o diretor deixa pelo caminho sobre a natureza transcendental e alegórica da obra.

Lucy, por várias vezes, atua como a voz da moderna sociedade vitimista, frágil, entrando em conflito com Jake, problematizando até mesmo o contexto da clássica canção “Baby, It’s Cold Outside”, representando como que uma resposta à tentativa desajeitada do rapaz em se adaptar àquele mundo. O enigma vai se tornando cada vez mais denso.

Os próximos parágrafos contém spoilers, recomendo que sejam lidos após a sessão.

O protagonista, o zelador da escola, no crepúsculo da vida, enfrentando a natural degradação física e mental, luta para ressignificar experiências traumáticas em seu passado, resgatando paixões (Lucy é um amálgama das mulheres que amou), angústias profissionais, filosóficas, pessoais e encarando seu turbulento relacionamento com os falecidos pais, elementos apresentados pelo roteiro como um fluxo contínuo de tempo e espaço.

Ao espiarmos o quarto de sua infância, com uma extensa coleção de filmes, discos e livros, entendemos porque ele utiliza a teatralidade, a arte, como ferramenta de libertação no lindo desfecho, em que, finalmente, faz as pazes com a inescapável finitude. É como se ele recebesse ajuda da arte, combustível que tornou sua vida inteira mais divertida, aliviando as angústias naturais que todos compartilhamos, para ganhar a coragem necessária e atravessar de cabeça erguida a fronteira final.

O onírico discurso, emulando ipsis litteris a sequência mais lembrada do filme “Uma Mente Brilhante” (o DVD do filme aparece antes no quarto dele, reforçando a identificação que sente com a trama sobre o matemático esquizofrênico), após seu falecimento no veículo, solitário e afastado de tudo, a catarse emocional que escolhe como despedida digna. Bravo!

Um dos melhores e mais instigantes filmes do ano, feito para ser revisto várias vezes, um verdadeiro tesouro direcionado para pessoas sensíveis e inteligentes.

Cotação: stars1 - Crítica de "Estou Pensando em Acabar com Tudo", de Charlie Kaufman, na NETFLIX

Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here