“As Pontes de Madison”, de Clint Eastwood, no NET NOW

0

As Pontes de Madison (The Bridges of Madison County – 1995)

Após o falecimento de Francesca Johnson (Meryl Streep), uma proprietária rural do interior do Iowa, seus filhos descobrem, através de cartas que a mãe deixou, do forte envolvimento que ela teve com um fotógrafo, Robert Kincaid (Clint Eastwood), da National Geographic, quando a família se ausentou de casa por quatro dias. Estas revelações fazem os filhos questionarem seus próprios casamentos.

  • O texto contém spoilers, logo, recomendo que seja lido após a sessão.

A infantilização da indústria cinematográfica norte-americana como um todo se intensificou tanto nos últimos anos, que, sem exagero, rever “As Pontes de Madison” hoje se torna uma experiência ainda mais eficiente do que em sua estreia. Como a sociedade pode ter estupidificado tanto em apenas 25 anos? No sensível roteiro de Richard LaGravenese, adaptação da obra homônima de Robert James Waller (vale ressaltar, um dos raros casos em que a adaptação é muito superior ao livro), os personagens adultos agem, falam e pensam como pessoas adultas, os desenvolvimentos narrativos exalam real peso dramático, trabalham emoções complexas.

The Bridges of Madison County Meryl Streep Wallpaper 2 - "As Pontes de Madison", de Clint Eastwood, no NET NOW

Spielberg estava interessado na história, que havia sido comprada na planta por sua produtora Amblin, chegou a ser cogitado como diretor, seria uma bem-vinda lufada de ar fresco após a tensão das filmagens de “A Lista de Schindler”, ele chegou a indicar que fosse adicionado no roteiro o elemento dos filhos descobrindo o diário da falecida mãe, ponto genial que engrandece as possibilidades psicológicas, inserindo na equação os efeitos da vivência romântica da mãe nos filhos, provavelmente o resultado seria intensamente melodramático, mas ele acabou se afastando do projeto, que foi logo abraçado por aquele que havia sido escolhido para o papel do fotógrafo desde as primeiras versões do roteiro, Clint Eastwood, que manteve as boas ideias de Spielberg e colocou sua assinatura sempre competente. E creio firmemente que seu estilo de direção mais sóbrio foi o trunfo principal, pegada realista que conquistou o coração do público no mundo todo, favorecendo a obra sobremaneira em revisões.

O passo mais importante precisava ser dado, qual atriz conseguiria a difícil tarefa de transmitir o conflito interno da simples mulher interiorana? O novo diretor lutou desde o início pela presença de Meryl Streep, enquanto todos os envolvidos se mostravam relutantes, os engravatados inicialmente queriam atrizes mais jovens, depois apostaram em Jessica Lange ou Susan Sarandon, mas Clint firmou o pé e convenceu a equipe. A química em cena dos dois é latente, amizade que foi forjada nos bastidores, em filmagens de cenas brilhantes como a da discussão na cozinha, em que uma bonita atitude de seu parceiro emocionou a atriz.

The Bridges of Madison County meryl streep 33070610 1024 768 2 - "As Pontes de Madison", de Clint Eastwood, no NET NOW

No momento em que ele chora, ápice emotivo do personagem, Clint surpreendeu a atriz ao virar o rosto, ficando de costas para a câmera, Meryl questionou a escolha, já que ele estava perdendo uma grande oportunidade para brilhar, qualquer ator faria de tudo para transformar aquele instante em um show egoísta, mas ele defendeu tranquilamente que a composição da cena ficava melhor daquela forma, em suma, ele demonstrou pelo exemplo que colocava a eficiência sensorial da obra acima de sua vaidade enquanto ator, algo que verdadeiramente tocou Meryl.

Outro ponto muito elogiado foi a decisão de Clint filmar tudo na sequência cronológica de eventos, para tornar ainda mais crível a transição entre o quebrar de gelo no contato dos dois estranhos, permeado de sorrisos envergonhados e olhares desviados, e a paixão que arrebata a rotina da mulher.

Francesca não consegue se lembrar de uma época em que não estivesse casada, o significado daquela relação já havia se perdido nos anos turbulentos em que criou seus filhos adolescentes, a sua vida se resume à contemplação sorumbática da passagem do tempo, dias iguais, noites frias, gestos que se repetem, tarefas caseiras memorizadas, um lento processo desumanizante que a fez esquecer até que é bonita e que pode preencher os sonhos de alguém.

Clint OK - "As Pontes de Madison", de Clint Eastwood, no NET NOW

Quando o enigmático e cavalheiro fotógrafo aparece pedindo suas orientações para encontrar as famosas pontes cobertas da região, ela está sozinha, a família foi passar alguns dias numa competição estadual de novilhos, logo, ela vence o nervosismo e decide ampliar a gentileza, levando ele até o local desejado. Robert não saberia dizer, seu estilo aventureiro abarcava o inesperado de cada manhã, mas a sua invasão àquele microcosmo operou uma mudança radical na mulher, não apenas na revitalização da autoestima, como também na renovação do fundamental entusiasmo pela vida.

A trama se encaminha para um desfecho angustiante, mas, ainda assim, belíssimo, já que o breve idílio íntimo do casal é interrompido pelo retorno da família. Robert desafia ela a abandonar tudo e partir com ele, mas Francesca teme a reação dos filhos e sacrifica sua alma, retornando para sua rotina desapaixonada. Já administrando novamente seus hábitos comuns, tempos depois, ela, no desconforto de seu veículo, reconhece à distância a figura molhada pela chuva, os dois sorriem, uma última chance bruscamente afastada pela entrada barulhenta do marido.

Robert elegantemente se vira e parte para sempre. O som da chuva torrencial se torna uma sinfonia fúnebre. Ela não consegue conter as lágrimas, algo que seu companheiro nem nota, e, quando o destino a presenteia segundos depois com mais uma oportunidade, um semáforo vermelho, ela crava as unhas naquela maçaneta da porta consciente de que, naquele minuto, ela estava jogando no lixo a única esperança que restava de uma existência plenamente feliz.

“As Pontes de Madison” é simplesmente um dos romances mais lindos da história do cinema.

Cotação: stars1 - "As Pontes de Madison", de Clint Eastwood, no NET NOW

Trilha sonora composta por Clint Eastwood e Lennie Niehaus:

RECOMENDAMOS



Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here