“O Intendente Sansho”, a OBRA-PRIMA de KENJI MIZOGUCHI

0

O Intendente Sansho (Sansho Dayu – 1954)

Japão, século XI. A família Taira é separada pelas lideranças feudais e passa por todo tipo de sofrimento.

É impossível transmitir a emoção que este filme causa no espectador. Não há uma viva alma capaz de sair indiferente de uma sessão de “O Intendente Sansho”, esta é a obra perfeita para mostrar aos que, por desconhecimento, rejeitam o timing do cinema oriental clássico.

O roteiro essencialmente fabulesco carece de um maior desenvolvimento psicológico dos personagens principais, estruturalmente recorrendo a flashbacks como forma de preencher algumas lacunas de acontecimentos, mas sem se aprofundar na forma como os mesmos afetam as pessoas envolvidas, um mundo interno que fica aberto a interpretações. Longe de ser um problema, essa postura narrativa reforça o real elemento importante para Mizoguchi, a mensagem que emoldura a belíssima sequência em que o filho visita o túmulo do pai, um governador que foi duramente punido por tratar com humanidade os camponeses da região.

A necessidade de ser misericordioso, ainda que o sistema te conduza a agir de forma contrária, o que o falecido deixou como único legado para os filhos, lição preciosa, encontra ressonância na reação do povo do local, que, movido pela gratidão, faz questão de cuidar das flores que embelezam e dignificam o altar de sua memória. É nesse momento que o jovem Zushio compreende plenamente que o status social de prestígio que alcançou não tem valor algum quando comparado ao respeito que se conquista de pés descalços e caráter ereto, por ações corretas sem intenção de reconhecimento, o que o faz renunciar o cargo sem pensar duas vezes após cumprir seu objetivo, a libertação dos escravos do Intendente Sansho.

A doce irmã, Anju, que sacrificou sua vida para que ele pudesse ter uma chance de redenção, acaba se unindo ao lamento da mãe, representada na trilha sonora como a flauta renitente que clama pelo reencontro, não tanto o físico de mãe e filho, mas o reencontro existencial do rapaz com valores nobres de sua infância, virtude que ele, por inclemência do destino, chegou a renegar.

Mais do que uma obra-prima na filmografia de seu cineasta, este filme é um patrimônio inestimável da história do cinema mundial.

* O filme não está nas plataformas de streaming, mas pode ser encontrado em DVD e, claro, garimpando na internet.

RECOMENDAMOS



Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here