A Vida de Um Tatuado (Irezumi Ichidai – 1965)

Dois irmãos yakuza tentam ter uma vida honesta numa cidadezinha do interior, mas não conseguem fugir do passado criminoso.

Uma das maiores inspirações para o “Kill Bill”, de Tarantino. É o que normalmente se escreve quando se aborda este filme, que é o meu favorito do diretor. Tremenda injustiça, reduzir esta espetacular obra-prima à posição de influenciadora de um projeto menor, ainda que popular e divertido.

Sem revelar muito sobre a trama, para não prejudicar a experiência, foi a primeira vez que Suzuki recebeu um alerta de seus superiores sobre ter ido longe demais em seu estilo, o que, por si só, já seria motivo suficiente pra despertar o seu interesse e fazer com que redobre a atenção especialmente em seu magnífico desfecho. A história incita investimento emocional, algo que não é usual na filmografia dele, por este motivo considero um excelente ponto de partida.

O segundo ato tem um ritmo inteligentemente mais lento, exatamente para estabelecer com cuidado a relação entre os irmãos, especialmente suas motivações antagônicas, o que favorece a catarse psicodélica que ocorre no terceiro ato. Sobra espaço no roteiro até mesmo para uma subtrama romântica.

“A Vida de Um Tatuado” mostra Suzuki dominando o equilíbrio perfeito entre suas invencionices autorais e a necessidade de entregar um produto de valor comercial.

* O filme não está nas plataformas de streaming, mas você encontra em DVD e, claro, garimpando na internet.

RECOMENDAMOS



Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui