Tesouros da Sétima Arte – “A Estranha Passageira”, de Irving Rapper, com BETTE DAVIS

0

A Estranha Passageira (Now, Voyager – 1942)

Adaptado do livro de Olive Higgins Prouty, conta a história de Charlotte Vale (Bette Davis), uma mulher tímida devido à sua repreensiva mãe, Mrs. Vale (Gladys Cooper). Emocionalmente perturbada, ela é ajudada por um psiquiatra, Dr. Jaquith (Claude Rains), que a incentiva a fazer mudanças radicais em sua vida.

Um dos cinco melhores trabalhos de Bette Davis, seu maior sucesso comercial, e com certeza um dos melhores romances da década de 40, mas infelizmente esquecido nos dias de hoje. Um dos aspectos mais curiosos é que durante o segundo ato ele se passa no Brasil, garantindo belas imagens do “Pão de Açúcar” e do “Corcovado”, mas também um alívio cômico pra lá de duvidoso, um atrapalhado taxista brasileiro (“mezzo-italiano/mezzo-portunhol”) de nome “Giuseppe”, que pode entrar na seleta lista de representações de tipos mais ofensivos, junto com o asiático vivido por Mickey Rooney em “Bonequinha de Luxo”.

O tema que a obra aborda é muito interessante: a influência de uma mãe superprotetora em uma filha submissa. Davis consegue com grande sutileza passear entre a timidez excessiva, o desejo por liberdade ainda com culpas e a resignação redentora ao final.

RECOMENDAMOS



Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here