“O Homem do Riquixá”, de Hiroshi Inagaki

0

O Homem do Riquixá (Muhomatsu no Issho- 1958)

Matsu é um pobre puxador de riquixá. Um dia ele ajuda um garoto ferido chamado Toshio, conquistando a gratidão de seus pais, o capitão Kotaro e sua esposa Yoshiko. Com a morte de Kotaro, Matsu se aproxima da viúva e do menino, apesar do abismo social que os separa.

Como pode ser visto próximo do desfecho de “O Homem do Riquixá”, Hiroshi Inagaki gostava de experimentar efeitos especiais primitivos, buscando alternativas para o padrão de se contar histórias em seu país. Comparável à Kurosawa, seu estilo era de apelo universal, com forte inspiração no cinema ocidental. Sua carreira iniciou no cinema mudo e alcançou popularidade em 1943, com “Muhomatsu no Issho” (primeira versão de “O Homem do Riquixá”). Porém foi com a “Trilogia Samurai”, iniciada em 1954, que o diretor conquistou o público estrangeiro, vencendo o Oscar de Filme Estrangeiro. Mas nenhum de seus filmes é tão terno quanto este que abordo neste texto.

Ainda se acostumando ao enquadramento “TohoScope” (uma versão do “CinemaScope”), o diretor oferece ao menos uma sequência em que aproveita apropriadamente este recurso: o carregador de riquixá se afasta de seu cliente (um homem com aspecto nobre) e vai em direção ao menino (no outro extremo da tela), ajudando-o a consertar a linha de uma pipa. Um humor quase pastelão se inicia, enquanto somos levados a focar nossa atenção nos dois extremos. O cliente irritado pula e bate com seu guarda-chuva no chão (como em um desenho animado), contrastando com a serenidade de Matsu (Toshiro Mifune) e seu pequeno amigo, que calmamente realizam seus afazeres.

Algumas cenas emocionam com extrema sensibilidade, sem nunca soarem apelativas. O breve momento em que Matsu (que afirmava orgulhoso só ter chorado uma vez na vida) assiste a apresentação do menino, que vence sua timidez cantando em público, deixando transparecer sua emoção e orgulho. A cumplicidade entre o pobre homem e o menino, que quando criança desconhece o abismo social que os separa, vendo-o como um herói, seu melhor amigo. Com o passar dos anos, já adolescente, sente-se envergonhado quando, perto de seus amigos, escuta o velho amigo chamando-o pelo apelido carinhoso de infância.

A expressão no rosto de Toshiro Mifune, quando percebe que aquele rapaz não o reconhece
mais como outrora, desaba qualquer coração. Ele, que se sentia um rei apenas por conquistar o olhar de admiração do menino ao vê-lo vencer uma corrida em uma gincana, agora não podia mais demonstrar seu carinho por ele em público.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here