“Keoma”, de Enzo G. Castellari

0

Keoma (1976)

Rejeitado desde criança e abraçado pela conselheira “mãe morte”, que lhe concedeu uma segunda chance, o pequeno mestiço sobreviveu ao massacre que dizimou sua família. Com um generoso estranho, encontrou abrigo e uma nova família. O ciúme corrompeu seus três novos irmãos, que dedicavam a ele lancinante desprezo.

Anos depois, cruel destino foi reservado ao bondoso pai, que testemunhou a derrocada de caráter de seus herdeiros e a ausência do único elemento íntegro remanescente em seu legado. Keoma (Franco Nero) retorna após a Guerra Civil e encontra uma abominável realidade: o povo de sua cidade natal, escravizado pelo medo. O vil Caldwell (Donald O’Brien), auxiliado pelos três irmãos, alimenta a indústria da “praga” que assola os cidadãos. Os medicamentos são proibidos de entrarem na cidade, com a conivência sórdida dos preguiçosos dignitários da região, satisfeitos com a miséria confortavelmente administrada e o sorriso malicioso e sem dentes de suas cortesãs.

O antigo ídolo do jovem mestiço, o escravo (vivido por Woody Strode) de seu pai adotivo, que outrora esbanjava coragem em suas demonstrações com o arco e flecha, vive agora bêbado na sarjeta, acostumado com a dor. Aquele generoso estranho que lhe presenteou
com uma nova vida, agora vive recluso e desesperançado.

A cidade que nos é apresentada na bela obra de Enzo G. Castellari reflete um macrocosmo
facilmente identificável nos dias de hoje (assim como o era na época de seu lançamento). Administram um salário de miséria a um povo, negando-lhe cultura. Felizes e desdentados aceitam o pão e circo que lhes é emprestado (a duras penas), enquanto os “pistoleiros” que criam as leis banqueteiam-se em palacetes de ouro branco. Uma vida de migalhas consentidas por cada jovem que aceita calado, por cada adulto que desiste.

“Keoma” é um símbolo do poder crítico deste gênero, que em sua brincadeira de caubói fala muito mais ao coração da corrupção humana, que muitos projetos declaradamente panfletários (normalmente hipócritas, emoldurando o problema, sem apontar soluções). Político e incisivo, ele ousa ainda refletir em seu protagonista, a imagem de um novo “Cristo”, que novamente irá pagar caro por ser ético, sofrendo nas mãos daqueles por quem se sacrificou.

Os seus atos libertaram seu povo, porém os olhos turvos deles, após décadas sendo manipulados, não perceberão a ausência da venda que lhes obscurecia a visão. O mestiço resgatou em seu pai adotivo e em seu velho amigo escravo, a bravura que por anos escondia-se por trás do medo, levando-os a unirem-se a ele no emocionante ato final. Aquele arco empoeirado voltaria a zunir suas flechas, fazendo novamente o velho ídolo ser visto com orgulho pelo seu jovem amigo.

A obra é permeada de símbolos (a “mãe morte”, a jovem grávida que dará vida ao “futuro livre” daquele povo, entre outros) e contém uma trilha sonora (de Guido e Maurizio De Angelis) muito interessante, que funciona como um “coro grego”, pontuando e por vezes, narrando o que ocorre em cena (como a consciência do protagonista). Visualmente é comparável aos melhores filmes de John Ford, com uma clara influência de Sam Peckinpah na construção das cenas de ação.

Keoma entrega o “filho” que simboliza o futuro (agora) livre de seu povo, nas mãos da “mãe morte” (que também representa uma das “Moiras”, deusas do destino, na mitologia grega), dizendo a frase que expressa de forma perfeita o leitmotiv da trama: “O homem
que é livre, nunca morre
”.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here