“A Dança dos Vampiros”, de Roman Polanski

0

A Dança dos Vampiros (The Fearless Vampire Killers – 1967)

Ontem revi após alguns anos e pude constatar que o tempo foi muito generoso com o senso de humor, que mantém seu charme, e com a direção, que não envelheceu.

Até mesmo a opção de iniciar o filme com créditos em animação (o leão da MGM se transforma em um vampiro, cujo sangue escorre de seus dentes e atravessa os letreiros), que foi imposição do estúdio, algo que o diretor odiou, funciona ao estabelecer o clima (auxiliado pela trilha de Krzysztof Komeda) desta brincadeira com os filmes de terror dos
estúdios “Hammer” (que vivia seu auge, com Christopher Lee vivendo “Drácula”).

Roman Polanski quase viu sua carreira ser destruída por este projeto, fracasso de pública e crítica (vale salientar,uma versão severamente cortada pelos produtores). Salvou-se graças à obra-prima “O Bebê de Rosemary”, lançada no ano seguinte. Geralmente quando se fala da filmografia do franco-polonês, ignoram esta pérola que reflete com vitalidade sua época. Polanski vive o medroso e desastrado Alfred, assistente do professor Abronsius (o divertidamente estereotipado Jack MacGowran, que viveria em seu último papel no cinema, o alcoólatra Burke, em “O Exorcista”), um especialista em identificar vampiros.

A trama garante um sorriso constante, mas entrega pelo menos dois momentos de causar gostosas gargalhadas: o pouco confortável lugar que o vampiro bonachão (vivido por Alfie Bass) e “sem-teto” escolhe para se abrigar durante a noite e a falta de atenção de Alfred com seu mestre, deixado ao relento e entalado em uma janela. Gosto bastante de uma cena pequena onde o vampiro judeu, ao surpreender sua vítima ostentando um crucifixo em sua direção, simplesmente afirma: “Oh, você pegou o vampiro errado”. O desfecho (que não revelarei) é a ironia perfeita, criativa e inesperada.

Como era bela a Sharon Tate (que vive a ruiva Sarah)! Polanski a conheceu durante as filmagens (ele havia tentado escalar Jill St. John, razão da peruca ruiva) nos Alpes italianos e se apaixonou. A tragédia que abalaria profundamente a vida do diretor (o assassinato de Tate, que estava grávida, pelas mãos de membros da seita de Charles Manson em 1969), não fez com que ele rejeitasse a obra.

Ele afirmou alguns anos atrás que se lembra do filme com muito carinho, como sua melhor criação, aquela em que se divertiu mais.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here