Nostalgia na Fila do “Cine Carioca”

    0

    Como compreender aquela sensação que nos atinge segundos
    após o despertar de um sonho agradável? Aquele breve momento em que nos vemos
    obrigados a nos despedir de pessoas e situações que pareciam tão reais, mesmo
    após tentarmos fechar os olhos por repetidas vezes, na desesperada tentativa de
    retornar a um mundo que parecia nos pertencer. São tantos personagens
    interessantes que encontrei nestas intensas aventuras oníricas, estranhos com
    quem compartilhei sorrisos e lágrimas. Talvez por ter sido sempre um apaixonado
    pela Sétima Arte, os sonhos mais emocionantes envolvem perseguições audaciosas
    por locais exóticos, salvamentos heroicos de última hora ou divertidos
    encontros com alguns de meus ídolos, como as alegres conversas com Woody Allen,
    uma inesquecível sessão de cinema ao lado de Chaplin e Charlton Heston, que
    tentou durante uma madrugada inteira me ensinar a conduzir uma quadriga romana,
    com relativo sucesso.

    Numa dessas horas mágicas, quando sonho em estado lúcido,
    caminho lentamente pela Rua das Flores na Praça Sáenz Peña (RJ – Tijuca),
    admirando os pôsteres dos filmes em exibição no longo muro externo, parando em
    frente ao belo “Cine Carioca”. Exatamente como fazia quando criança, eu me
    posiciono em um lugar imaginário numa fila que simplesmente aparece em minha
    frente. Escuto as conversas animadas dos pais, enquanto as crianças ficam
    perguntando insistentemente pela hora, antecipando com ansiedade o início do
    filme. Sorrio enquanto me agarro ao momento, tentando não me perturbar com o
    cenário que se modifica abruptamente, com chuvas torrenciais e desfiladeiros
    que procuram me alertar da artificialidade daquele momento. Não olho para o
    relógio, com medo da movimentação irregular do ponteiro me trazer de volta para
    a cama. Puxo papo com o casal que aguarda na fila, mas despisto-os ao perceber
    que aquela interação estava me encaminhando para outro ponto no sonho. Preciso
    saber qual filme me aguarda naquela sessão. Seria um título inventado? Teria
    ele algum significado misterioso? Tento afastar estas questões da mente, já que
    qualquer tentativa de racionalidade determinaria o fim daquela doce ilusão.

    Começo a sentir o aroma da pipoca no carrinho do vendedor.
    Descubro atrás dele uma banca que vendia dinossauros de plástico, exatamente
    como naquela tarde distante em que estava lá para assistir a primeira sessão de
    “Jurassic Park”. Olho para minhas mãos e me surpreendo emocionado ao
    encontrar-me folheando um gibi do Super-Homem que eu adorava, cujas páginas eu
    acreditei ter esquecido após tantos anos, mas lá estavam como as deixei
    outrora, numa caixa de papelão esquecida no tempo, no triste momento em que
    tive que me desfazer de grande parte de minha coleção em meados da década de
    90. Passo pelo belo saguão e fico feliz ao constatar que o mármore continua
    brilhando como sempre. Será que aproveito a situação e corro por aquela luxuosa
    escadaria, como desejava na infância? Temendo que ela me conduzisse (como de
    costume nos sonhos) para outro ambiente completamente diferente, prefiro me
    manter seguindo a fila que adentra a sala escura. Como era reconfortante rever
    aquele tecido vermelho que escondia a grande tela, enquanto procurava uma
    poltrona vazia na última fileira. Ainda não sabia qual filme iria ser exibido,
    mas desejava apenas que eu conseguisse me manter naquele local por mais algum
    tempo. O gibi pousado em meus joelhos, o som do projetor trabalhando, até que
    algo maravilhoso e inesperado ocorreu: em minha língua, sentia o sabor das
    deliciosas “Balas Boneco”, que sempre me acompanhavam nestas sessões. Hoje
    existem somente em minha memória.

    foto2 - Nostalgia na Fila do "Cine Carioca"

    Começo a sentir que fachos de luz invadem a sala escura, que
    parece cada vez menor. O zumbido característico que prenuncia o inevitável
    despertar. Um tema musical começa a tocar no filme que se inicia. Reconheço a
    sensibilidade de Ennio Morricone. Estava aguardando para assistir “Cinema
    Paradiso”, enquanto o ambiente se modificava rapidamente. Eu me agarrava na
    poltrona e fixava meu olhar na grande tela, enquanto as buzinas dos carros em
    minha movimentada rua aumentavam de volume. Quando dei por mim, estava
    admirando o teto do meu quarto. Fechei os olhos e tentei dormir novamente,
    torcendo para retornar ao mesmo ponto. Era inútil o esforço. Mais tarde,
    naquele mesmo dia, passei em frente à Rua das Flores, em direção aoShopping
    Center, mas com melancolia constatei a triste realidade: o “Cine Carioca” não
    existia mais. Em seu lugar, uma Igreja Evangélica. No espaço onde eram exibidos
    os nomes dos artistas, uma placa com erros ortográficos informava uma medíocre
    “Sessão de Descarrego”. Segui em frente, tentando ignorar a tristeza, mas ela
    me acompanhou durante o restante do trajeto. Naquela noite eu fui dormir
    pensando nas sensações experimentadas no sonho, mas miseravelmente não obtive
    êxito em me transportar para aquele local novamente. A vida é um constante ato
    de desapegar-se de tudo que mais amamos, mas não é fácil nos acostumarmos com
    esse terrível hábito. O lado bom disso tudo é que, enquanto conseguirmos reter
    o carinho que sentimos por aquela memória, o sonho se manterá vivo. Cada
    adormecer pode ser o prenúncio de um aguardado reencontro…

    foto3 - Nostalgia na Fila do "Cine Carioca"

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here