O Encanto Imortal de Fred Astaire e Ginger Rogers

0

A RKO Pictures foi o primeiro grande estúdio criado após o nascimento do cinema falado. Nada mais justo que focarem-se em seus anos iniciais no carisma de Fred Astaire e Ginger Rogers, uma década antes da revolução iniciada na Broadway com “Oklahoma”.

Os primeiros musicais do estúdio eram verdadeiros experimentos (o tempo não favoreceu as obras), mas a sorte levaria um coadjuvante a modificar os rumos da RKO e de todo o gênero musical. Frederick Austerlitz, veterano da Broadway, constava na lista de pagamento do filme: “Voando para o Rio” (Flying Down to Rio – 1933), em uma pequena participação como líder da banda.

Dentre as várias jovens que buscavam uma oportunidade de aparecerem na produção (mesmo que por alguns minutos), Frederick escolheu a bela Virginia Katherine McMath, com quem já havia trabalhado em uma coreografia anos atrás na Broadway. Os astros da produção eram Dolores Del Rio e Gene Raymond, que declaravam seu amor de forma pouco brilhante, enquanto que Frederick e Virginia iluminavam a tela nos seus poucos momentos em cena (normalmente como alívios cômicos).

Tudo se modificou na cena de dança da dupla (“The Carioca”), pelas lentes mágicas do cinema, Frederick e Virginia tornaram-se Fred Astaire e Ginger Rogers, esbanjando carisma e uma forte atração romântica, sutilmente demonstrada em trocas de olhares e suspiros, que tomaram de assalto a sociedade da época. Uma pequena cena, uma frase em um
roteiro, acabou tornando-se a razão pela qual a modesta produção é lembrada até hoje, quase oitenta anos após sua estreia. O público queria saber mais sobre aquele casal e a RKO viu-se na feliz obrigação de conceder a eles maior destaque no filme seguinte.

Os musicais que compuseram a “Fórmula Astaire-Rogers” possuíam tramas ingênuas e eram artesanais, pioneiras na integração entre diálogo, música e dança como forma eficiente de desenvolver personagens e contar uma história. O tempo não foi benevolente com a trama de muitos destes filmes, mas as danças continuam a exercer o mesmo fascínio e emoção.

Os melhores compositores da época (Jerome Kern, Cole Porter e Irving Berlin, entre outros) emolduravam estas produções com uma elegância que se amalgamava à classe da dupla em cena, formando uma combinação ainda não igualada até hoje. Ao todo, foram dez produções realizadas entre 1933 e 1949. Estas são as minhas cinco favoritas:

1 – Ritmo Louco (Swing Time – 1936)

Um dançarino e apostador viaja a Nova York para levantar a quantia necessária para poder se casar com sua noiva. Chegando lá, ele acaba se envolvendo com uma bela dançarina novata. Dirigido por George Stevens e com canções compostas por Jerome Kern, como “The Way you Look Tonight” e “A Fine Romance”.

2 – Ciúme, Sinal de Amor (The Barkley’s of Broadway – 1949)

Astaire é o dançarino Josh Barkley. Rogers é sua esposa, Dinah, que pensa em trocar o sapateado pelas peças de teatro. Quando ela parte, Josh se esforça para tê-la de volta. Primeiro filme estrelado por Fred Astaire e Ginger Rogers após uma ausência de dez anos. À época, diziam que a história era um retrato fiel das tensões criativas compartilhadas por ambos na vida real. Dirigido por Charles Walters e com canções compostas por Ira e George Gershwin, como “They Can’t Take that Away from Me” e “You’d be Hard to Replace”.

3 – O Picolino (Top Hat – 1935)

Em Londres, Jerry Travers (Fred Astaire), um dançarino americano, está ensaiando um número de sapateado em seu quarto de hotel, pois foi contratado para fazer um show. Entretanto, ele acaba incomodando a bela Dale Tremont (Ginger Rogers), a vizinha do quarto de baixo. Logo, ambos começam a se apaixonar. Dirigido por Mark Sandrich e com canções compostas por Irving Berlin, como “Cheek to Cheek” e “Top Hat, White Tie and Tails”.

4 – Vamos Dançar? (Shall We Dance – 1937)

Linda Keene é uma louvada dançarina de balé. Petrov é um exímio sapateador. O sonho dele é realizar uma apresentação artística ao lado dela e, após espalhar um rumor de que ele era casado com Linda, o relacionamento entre os dois fica confuso. Dirigido por Mark Sandrich e com canções compostas por Ira e George Gershwin, como “They Can´t Take that Away from Me” e “Let´s Call the Whole Thing Off”.

5 – Dance Comigo (Carefree – 1938)

Fred Astaire é o psiquiatra Tony Flagg, melhor amigo de Stephen Arden (Ralph Bellamy). Stephen é noivo de Amanda Cooper (Ginger Rogers), uma cantora de rádio que já esteve noiva três vezes e desmanchou todos. Para tentar salvar o relacionamento, ela frequenta o consultório de Tony. O psiquiatra tenta ajudar seu amigo e, por meio da hipnose, convence Amanda de que ela realmente ama Stephen e tem que se casar com ele. Linda trilha sonora de Irving Berlin, incluindo “Change Partners”, “The Yam” e “I Used to Be Color Blind”.

Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here