Tesouros da Sétima Arte – “Fome”

    0

    Fome (Sult – 1966)

    Dirigido por Henning Carlsen e adaptado brilhantemente da
    obra de Knut Hamsun, o longa dinamarquês fala sobre um escritor miserável e
    faminto que perambula pelas ruas de Kristiania (antiga Oslo) em 1890, tentando
    publicar um artigo (que ele considera sua obra prima) em um jornal local.
    Desesperado após várias tentativas frustradas de conseguir emprego, luta para
    sobreviver em uma batalha para manter seu orgulho e contra as humilhações e a
    inanição, que lhe causa delírios constantes e mudanças de humor. Suas
    tentativas de mostrar-se digno são pontos altos, como após penhorar seu casaco
    para conseguir dinheiro, percebe bem depois que esqueceu sua caneta no bolso
    dele, voltando no local e fazendo questão de explicar a um desinteressado dono
    que aquela caneta era especial para ele, pois havia sido com ela que ele
    escreveu sua tese de filosofia em três volumes.

    A atuação premiada em Cannes de Per Oscarsson consegue
    transformar um personagem que tinha tudo para ser esquisito, em alguém por quem
    nos importamos. Conseguimos penetrar em seu mundo paranoico e frágil, entender
    suas motivações e torcer por ele. Cenas como a do sonho, onde ele disputa um
    osso com um cão raivoso ou quando, inventando situações, vai de porta em porta
    perguntando se precisam de seus serviços, são inesquecíveis em sua honestidade.
    Após roer os restos de um osso, argumentando que havia pego para seu cachorro,
    vomita e chora desesperadamente, dizendo: “Mas será que não há nada que
    consigamos manter em nós?
    ” Poucos minutos depois, com a esperança de um tolo,
    afirma para um policial na rua: “Daqui a cinco minutos serei um homem muito
    feliz
    ”.

    Enquanto muitos filmes mostram homens em situações críticas
    causadas pelo álcool ou drogas, nesta pequena obra prima, o sofrimento do
    protagonista nasce de seu rígido código moral, que o impede de agir da maneira
    mais racional. Mesmo não tendo local pra ficar, recusa o convite de um amigo
    que pergunta se ele teria aonde passar a noite. Mesmo sendo obrigado a tentar
    vender seus óculos, os botões de sua blusa e seu único casaco para tentar
    manter-se vivo, recusa ajuda de amigos, quase como se trilhasse conscientemente
    um Calvário pessoal, sem direito a redenção.

    Não é um filme fácil de ser achado, mas a ideia é essa.
    Expandir conceitos e fazer nascer em cada um a altamente recompensadora vontade de descobrir estes tesouros escondidos da Sétima Arte.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here