Tesouros da Sétima Arte – “Privilégio”

    0

    Privilégio (Privilege – 1967)

    Steven Shorter (Paul Jones) é o maior astro da música
    britânica. Ouvido por todos, de adolescentes a idosos, todos na Inglaterra o
    amam, até que seus produtores e empresários começam a usar sua popularidade
    para projetos econômicos dos mais variados. Enquanto Steven perde sua
    individualidade transformando-se em um produto, sua posição de ícone se torna
    útil para os setores mais conservadores da sociedade do Reino Unido. A Igreja e
    o Estado começam a usá-lo para combater o ateísmo e o comunismo, tornando-o um
    instrumento do fundamentalismo religioso e de um nacionalismo de cunho fascista.

    Utilizando a estética de um documentário que analisa
    friamente um case de marketing bem sucedido, o diretor inglês Peter Watkins (após
    o excelente documentário: “The War Game”, de 1965) elabora junto com o criador
    da história: Johnny Speight (que assina o roteiro junto com Norman Bogner), uma
    alegoria profética ambientada em um futuro não muito distante, sobre um jovem
    cantor que perde sua identidade em troca de um status de formador de opinião. A
    máquina de propaganda utiliza-o como forma de manter os adolescentes britânicos
    alienados, fazendo-os canalizar e extravasar sua revolta em apresentações
    sádicas, mas mantendo-se ignorantes sobre os rumos políticos de seu país.
    Steven é apresentado algemado e enjaulado diante de seus fãs, que berram descontroladamente
    e clamam por sua liberdade. Um circo de horror que nos remete aos escândalos
    tão atuais envolvendo os astros populares do mundo do entretenimento. Aqueles
    que apreciaram “O Show de Truman” (de Peter Weir) encontrarão porto seguro
    nesta obra. O roteirista Andrew Niccol provavelmente deve ter se inspirado em
    Steve para compor o protagonista vivido por Jim Carrey (até mesmo na influência
    feminina no terceiro ato, essencial para a mudança na atitude do protagonista).

    São vários os momentos de genialidade, mas particularmente
    considero brilhante o discurso do reverendo Jeremy Tate (Malcom Rogers),
    emulando os maneirismos de Hitler, onde ele conclama de seus fiéis oconformismo.
    A imagem do jovem teria que ser moldada (devido a interesses mercadológicos) de
    um rebelde para um honorável cristão, então seus produtores organizam um evento
    em escala olímpica, para reinseri-lo transformado na sociedade. A narração emoff(feita
    pelo próprio diretor) nos informa que, enquanto Steve finaliza o evento com uma
    canção que incita algo de transcendental, cadeiras de rodas foram dadas à
    vários cidadãos doentes, para que a ilusão do milagre ocorra. Ao estender suas
    mãos, os falsos paralíticos se levantam e a comoção se agrava, mas o rosto do
    jovem não poderia expressar maior desalento. Ele se move em coreografias, até
    mesmo seus gestos mais simples são coordenados. Basta um olhar mais atento aos
    fenômenos midiáticos modernos, para perceber que este futuro imaginado
    alegoricamente no filme acabou se concretizando. Em dado momento, numa reunião
    com a alta cúpula que produz o jovem, uma estilista apresenta de maneira formal
    o estilo que será adotado em algumas semanas pelos jovens britânicos. A
    manipulação midiática continua mesmo após Shorter sair de cena, pois continuam
    utilizando suas imagens de arquivo, somente retiram o som. O produto continua à
    venda, pois existe um público que compra.

    Não me surpreende que este filme tenha sido boicotado em sua
    época (a mídia afirmava que a obra era imoral, debochava da igreja e desafiava
    as autoridades, encorajando a delinquência juvenil) e que ainda hoje seja
    praticamente desconhecido, até mesmo entre os cinéfilos.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here