Woody Allen (Bônus) – Sonhos de Um Sedutor

    1

    Eu estava voltando pra casa ontem, quando passei em frente
    ao monumento de Aguinaldo Tambor, maior herói indígena de Cascatinha e
    redondezas. Sentado aos pés da estátua, um jovem vestia um jeans de acordo com
    as tendências da moda, uma camiseta estilosa e um relógio maior que seu pulso.
    Ao notar minha presença, ele começou a puxar papo, contando suas aventuras na
    cidade grande. Em sua tribo ele era conhecido como Tabaré, mas ai de quem o
    chamasse por esse nome. Ele era o que poderíamos chamar de um “índio politicamente
    incorreto”, já que fazia todo esforço possível para vencer na vida como um
    cantor de sertanejo universitário. Ele tinha em seu flat, escondido dentro do
    armário, vários cocares e flechas, que utilizava em manifestações populares, sempre
    que sentia que poderia finalmente se beneficiar de suas origens. Ele era um
    praticante de Cosplay dedicado, tendo tido o trabalho de decorar expressões de
    seu povo, mesmo sem saber exatamente o significado das palavras. Como saberia? Ainda
    criança, após a quarta fuga da oca de seus pais, impulsivamente se jogou dentro
    da mala de um homem branco que havia sido encontrado deitado inconsciente nas
    areias da praia. O pobre mercador passou semanas boiando numa tora de madeira,
    castigando-se internamente por ter aceitado satisfazer o desejo noturno de sua
    esposa grávida. Ele nunca imaginou que seria tão difícil encontrar bolinhos de
    chuva. Tabaré chegou à cidade grande e foi criado pelo mercador e pela esposa,
    que diariamente repreendia o marido por ter utilizado os bolinhos como desculpa
    para tentar fugir novamente dela. Dois homens em fuga, unidos pela mão trêmula
    do destino.

    ***

    Com a palavra, o crítico de cinema sergipano (de gosto extremamente duvidoso) Pierre Dominique:

    “Essa história é tão linda, que se eu pudesse me transformar
    alquimisticamente numa poltrona de uma sala de cinema, eu nunca ia deixar um
    cabra amarrotar meu estofado”.

    Cotação:(3 Xenas)

    ***

    Tabaré passou por momentos difíceis, como todos que se
    aventuram sem preparo algum em terras estranhas. Quando foi visto caído bêbado na
    sarjeta, passou a ser chamado de “Tabaré, o Etílico”. O que o deixava mais
    irritado era não saber o que significava a palavra. Nas noites frias de inverno,
    o povo costumava escutar sua voz rouca entoando a clássica canção “New York,
    New York”, enquanto testemunhas afirmam que ele era visto constantemente
    azucrinando os policiais, questionando duramente sobre a ausência dos bonecos
    de neve nas ruas. O prefeito não colocava sequer o asfalto, pobre Tabaré, que agora
    me encarava sentado aos pés da estátua.

    ***

    Com a palavra novamente, o crítico de cinema sergipano (de gosto extremamente duvidoso) Pierre
    Dominique:

    “Olhe, seu menino, tava bom demais pra ser verdade esse
    cabrunco bexiguento. Que final mais paia. É de lascar o cano”.

    Cotação:gab - Woody Allen (Bônus) - Sonhos de Um Sedutor(Meia Gabrielle)

    ***

    Final severamente modificado após requerimento da
    Associação PECA (“Procure Esconder com Ajustes”)

    Tabaré abraçou carinhosamente a estátua de seu antepassado,
    com o orgulho de um filho que vê seu pai moldado em bronze, numa pose esquisita
    e anatomicamente incorreta, servindo de tela para craqueiros praticarem suas pichações.
    Ele se despediu de mim, ostentando o cocar em sua cabeça, rumando em direção ao
    aeroporto. Estava com saudades de casa.

    A biografia autorizada de Tabaré está sendo vendida nas
    melhores livrarias. Viva você também a “Indiomania” que tomou de assalto o
    país.

    play it again sam casablanca - Woody Allen (Bônus) - Sonhos de Um Sedutor

    Sonhos de Um Sedutor (Play It Again, Sam – 1972)

    Allan (Woody Allen), um crítico de cinema que consome filmes
    ansiosamente e idolatra “Casablanca”, é abandonado por Nancy (Susan Anspach),
    sua mulher, que quer o divórcio já que não aguenta mais a insegurança emocional
    dele. Incapaz de lidar com este momento conturbado da sua vida, o sonhador
    busca consolo nos filmes que ama, enquanto imagina Humphrey Bogart (Jerry Lacy)
    lhe dando conselhos de como deve lidar com as mulheres.

    Entre o humor tresloucado e episódico de “Bananas” e “Tudo o
    Que você Sempre Quis Saber Sobre Sexo…”, Woody Allen filmou sob a direção de
    Herbert Ross (de “Adeus, Mr. Chips”), uma adaptação do seu texto para uma peça
    (encenada pela primeira vez em 1969), que acabou marcando o primeiro encontro
    nas telas entre Allen e sua primeira musa Diane Keaton. Interessado apenas em
    dirigir roteiros inéditos, Allen acreditava que Ross poderia transformar sua
    ideia já trabalhada na Broadway em um projeto de maior apelo comercial, conquistando
    um público maior do que em seus próprios filmes. Diferente do pastelão que ele
    vinha realizando, o roteiro se preocupa em desenvolver as motivações narrativas
    dos personagens, com uma aura sentimental que encontraria ressonância apenas
    cinco anos depois, com “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa”. Um bom exemplo está na
    repetição de um tema, mas com objetivo contrário. No caso, o clássico momento
    em que Allen é intimidado por valentões. A cena não é trabalhada visando fazer
    graça da situação, mas sim acentuar a humilhação sentida pelo protagonista
    perante sua acompanhante.

    A ideia de um cinéfilo receber conselhos de um personagem de
    cinema é fantástica, mas poderia desandar caso a atuação de Lacy (Bogart) fosse
    um tom acima. Mesmo sendo essencialmente caricaturais, suas breves aparições trazem
    equilíbrio e sinceridade aos gestos histriônicos do protagonista. Allan respira
    cinema do segundo em que acorda até a hora em que vai dormir. Sempre que uma
    crise se insinua em sua vida, recebe a visita de seu ídolo Bogart, com
    conselhos objetivos de como ele deve agir nas mais variadas situações. Ele
    encontra na Arte a inspiração que precisa para superar suas limitações. O tema
    fala diretamente ao coração de Woody (isso transparece em cada cena), que ainda
    insere homenagens sutis a outros gênios da indústria de sonhos que ele admira,
    como François Truffaut.

    O filme está sendo finalmente lançado em DVD, pela
    distribuidora “Classicline”, em parceria com a “2001 Vídeo”.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    1 COMENTÁRIO

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here