Lembrando Carlos Reichenbach

    0

    Dentre aqueles profissionais que transitavam pela
    pornochanchada da “Boca do Lixo”, ele talvez tenha sido o mais criativo e
    ousado realizador. “As Libertinas” (1968), “Audácia” (1970), “Corrida em Busca
    do Amor” (1972) são alguns dos vários projetos deste filão de qualidade
    bastante questionável, porém “A Ilha dos Prazeres Proibidos” (1979) e “Extremos
    do Prazer” (1984) demonstravam que era possível incutir uma trama interessante
    em um gênero apelativo e imaturo, que trouxe enorme lucro aos produtores, porém
    atrasou a cinematografia nacional até a recente retomada. Com o fim da
    ditadura, os brasileiros começaram a ter acesso aos filmes pornôs estrangeiros,
    o que enfraqueceu a indústria que havia se estabelecido.

    Na segunda metade da década de oitenta ele elaborou o ótimo
    “Filme Demência” (1986), onde se utilizou do conto de Fausto para experimentar
    com o que aprendeu assistindoGodard, resultando em algo autoral e
    inventivo. “Anjos do Arrabalde” (1987) já levou o diretor a flertar com o
    cinema realista deKenji Mizoguchi, criando um melodrama onde a violência
    circunda três dedicadas professoras da periferia de São Paulo. Porém foi com o
    maduro “Alma Corsária” (1993), que ele realmente fez uso de todas as suas
    referências com sensibilidade e perfeito equilíbrio. A trama segue a parceria
    entre dois jovens poetas (inspirados em Augusto dos Anjos e Cesário Verde) de
    estilos distintos, um sendo pura emoção, o outro cada vez mais absorto em
    questionamentos existenciais. Quando lançam um livro juntos, o cineasta utiliza
    o “micro” (festa de lançamento) para retratar a hipocrisia da sociedade (criticando
    inclusive alguns colegas de “Cinema Novo”), disposta a dividir com a precisão
    de uma lâmina samurai, aquilo que se estabelece como sendo“Arte”e o
    que épopular. Um negro com aparência de estivador aproxima-se de um piano
    em um bar e conduz “Clair de Lune” (junção do refinado Debussy com o popular
    poeta francês Paul Verlaine, escolha coerente com a proposta da cena), sendo
    prestigiado no mesmo ambiente pelo galã Walter Forster e pela Flor, a popular
    jurada de Silvio Santos. A comunhão entre as diferenças, proporcionada pela
    beleza da música. Uma das cenas mais poéticas do cinema nacional, infelizmente
    muito pouco conhecida pelos brasileiros.

    Independente de seu valor como diretor, eu o admirava por
    sua conduta. Reichenbach valorizava gêneros normalmente desprezados pela
    crítica (e pelos próprios cineastas), como a comédia, o terror e o “Kung-Fu”
    oriental. Admirava a competência de Jerry Lewis como autor (“O Rei dos Mágicos”
    era um de seus favoritos), assim como reverenciava a ousadia estética dos
    criadores da “nouvelle vague”. Tendo iniciado sua carreira escrevendo sobre
    cinema, ele disse certa vez em uma entrevista: “O bom crítico de cinema é,
    essencialmente, um garimpeiro em busca das verdadeiras gemas. As maiores gemas
    estão sempre onde menos se espera
    ”. Insatisfeito com o rumo do jornalismo
    cinematográfico conduzido nos grandes jornais (cada vez mais presos ao “lobby”
    e a interesses escusos, por vezes limitando-se a reduzir o valor de uma obra a
    um símbolo “positivo” ou “negativo”, em poucos caracteres), ele apreciava mais
    os textos que estavam sendo realizados em blogs, podendo então ser considerado
    o “patrono” de todos que, como eu, são apaixonados pelo cinema e expõem esse
    sentimento com responsabilidade e dedicação neste rico mundo virtual. Esteja em
    paz, Carlão. Obrigado!

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here