“O Discreto Charme da Burguesia”, de Luis Buñuel

    0

    O Discreto Charme da Burguesia (Le Charme Discret de la
    Bourgeoisie – 1972)

    A sociedade é controlada diariamente e não percebe que o
    titereiro muitas vezes está mais próximo do que se imagina, normalmente
    fazendo-se notado no reflexo de um espelho. Utilizando um exemplo muito
    moderno, notemos a reclamação que é feita sobre a qualidade da programação
    televisiva, do entretenimento que nos é oferecido: os programas de humor são
    ruins, o jornalismo está sensacionalista e a música é simplista. Voltemos aos
    anos quarenta, onde o rádio era a principal fonte de entretenimento. Nos
    Estados Unidos, em 1949, uma menina de três anos chamada Kathy Fiscus caiu em
    um poço descampado em um subúrbio de Los Angeles. Durante vários dias, os
    boletins da rádio hipnotizavam o público americano, que acompanhava apreensivo
    as tentativas de resgate (evento que inspirou o filme de Billy
    Wilder: “A Montanha dos Sete Abutres”). Os noticiários jornalísticos da rádio
    eram tão sensacionalistas quanto os programas policiais da TV moderna (enquanto
    hoje a violência é visual, outrora vivia na imaginação dos ouvintes). Pegue
    arquivos de programas de humor da época, sem o elemento passional da nostalgia, e perceberá que poucos eram realmente bons. Havia música de qualidade e músicas
    tolas (como hoje), com letras simplistas e harmonias fracas. Porém tendemos
    a sempre considerar o antigo melhor, mais refinado. Woody Allen trabalhou muito
    bem com esta desconstrução da nostalgia em seu ótimo “Meia-Noite em Paris”. O
    que leva o ser humano a agir assim?

    O espanhol Luis Buñuel responde a esta importante questão em
    várias obras de sua filmografia. Tomem como exemplo a subtrama do Monsenhor (vivido
    por Julien Bertheau), que recebe excessiva atenção e zelo de seus anfitriões
    quando está utilizando seu traje eclesiástico, porém é expulso como um cão
    sarnento da casa, quando está com a simples vestimenta de um jardineiro. A
    sociedade vive de “aparência”, do índio ao mais rico empresário, seguindo
    rituais diários que criam uma falsa impressão de segurança e conforto. As
    mesmas pessoas que reclamam da violência sensacionalista na televisão, são
    aquelas que correm para suas janelas quando escutam o som de uma briga. Os
    mesmos que, em público, passam uma imagem de corretos e reclamam da corrupção na
    política, são aqueles que aproveitam na malandragem falhas técnicas em sites,
    comprando “ouro” pelo valor de um “chumaço de algodão”, ainda se achando no
    direito de esbravejar quando as compras são canceladas. Evitam assumir que
    são, em essência, animalescos seres em evolução constante, perdendo horas
    discutindo se irão beber vinho tinto ou seco no jantar. O mesmo Monsenhor
    retorna mais tarde em outra cena que simboliza esta crítica do cineasta:
    convocado por uma simples camponesa a conceder uma última confissão a um
    moribundo, que descobre surpreso ter sido o homem que no passado havia
    envenenado seus pais. O Monsenhor mantém o ritual, sem expressar qualquer
    reação, concedendo a absolvição. Alguns segundos depois, com grande dignidade, pega um rifle que estava próximo e atira no homem, sem demonstrar remorso.
    Atitudes naturais do ser humano, como a violência e o sexo (dois amantes que ao
    descobrirem que seus convidados chegaram, fogem pela janela para realizarem o
    ato no jardim), são mascarados por esses rituais.

    Os personagens estão sempre caminhando em uma estrada, onde
    assim como o jantar que nunca conseguem terminar (imprevistos cada vez mais
    surreais os impedem), não parece ter um destino certo, como a própria vida. A jornada
    é árdua e nada glamourosa (suor, cansaço físico, roupas amassadas, paradas para
    amarrar os cadarços dos sapatos, cabelos desgrenhados ao vento etc.),
    contrastando com os momentos assépticos vividos pelos personagens em seus
    rituais diários. Sobram críticas eficientes à forma como os que vivem de
    aparência segregam aqueles que não “sentam no colo do ventríloquo”, como quando
    seis burgueses humilham secretamente um motorista particular, após perceberem
    que ele não demonstra a mesma “elegância” ao tomar uma taça de vinho (tudo
    havia sido um experimento planejado, como se quisessem apenas confirmar uma
    teoria e houvessem utilizado o simplório homem como cobaia). A obra guarda
    muitas outras surpresas, sonhos dentro de sonhos, e excelentes questionamentos, que
    deixarei para o leitor descobrir por si só.

    O controle está em todos os lugares, no “sentar e levantar”
    das missas católicas (as religiões confortam exatamente por sua estabilidade
    ritualística, que se traduz em segurança), na ordem de colheres a serem
    utilizadas em um jantar refinado, no ato diário de procurar fazer parte de
    algo, ser considerado “normal”. Tudo aquilo que é alvo de reclamação da
    sociedade é apenas o grito assustado dela ao ver-se no reflexo do “espelho”.
    Este é o discreto charme hipócrita da sociedade.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here