Woody Allen – Zelig

    1

    Após um longo período sabático, em que cheguei a ficar
    enjoado de tanto assistir o Lee Van Cleef atirando, retorno com o resultado do “Desafio
    Cultural – Woody Allen
    ”, esse inquestionável marco na história das redes sociais.
    A ideia do desafio era criar algumas linhas (ou algo mais elaborado) cômicas utilizando
    pelo menos dois personagens que eu havia criado para o especial, citando em
    algum momento o nome do homenageado. Minha conta de e-mail não resistiu à
    inundação de participantes, tive a constatação prática do quanto o brasileiro
    realmente ama ser instigado a escrever. Foi um trabalho hercúleo decidir entre
    o calhamaço de folhas impressas, mas o seleto júri composto apenas por mim
    mesmo chegou a uma decisão…

    E a vencedora foi: Adriana Garcia. Ela já recebeu em sua
    casa, com todas as despesas pagas, o DVD de “Sonhos de Um Sedutor” (numa parceria com a distribuidora “Classicline”) e meu livro “Devo
    Tudo ao Cinema”. Irei reproduzir agora um trecho de seu texto:

    “No texto do Octavio (em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa) não
    há a descrição dos personagens. Sempre que leio, imagino como são. Minha Annie
    Hall (ex-namorada) e meu Alvy Singer (escritor) seriam interpretados por Audrey
    Hepburn e William Holden, repetindo a dupla de Quando Paris Alucina, mas com direção
    de Woody Allen. Atemporal. Dia seguinte, no mesmo cenário que se repete todas
    as noites, quarto do escritor desarrumado, mesa do computador com lixeira
    repleta de papéis, cama não desfeita. O escritor levanta-se, olha desanimado para
    a plateia, hoje nem seus pais estão presentes, aniversário de um primo
    distante. Observa um senhor cochilando na última fila, um casal com cara de
    tédio, mais três ou quatro pessoas.

    Cansado daquilo tudo, de repente, como em um filme de Woody
    Allen, o escritor deixa o palco, sai do teatro sob o olhar atônito dos poucos
    espectadores, ganha as ruas. Não está em São Paulo, mas em Nova York, na
    Broadway. Caminha pelas ruas, sente frio, está só de manga de camisa. Mexe nos
    bolsos à procura de algum dinheiro. Personagem não carrega dinheiro. Acha umas
    moedas que devem ser do ator, pensa. Precisa tomar alguma coisa, sente vontade
    de fumar. Entra em um bar, tocam jazz. Joga as moedas no balcão. Agora são
    dólares, não reais. Pede um brandy para se aquecer e um maço de cigarros. Fica
    um pouco ali. Quem sabe aquela atmosfera não ajude a aumentar sua criatividade
    como escritor. Olha para um canto e parece ver sua ex-namorada…”.

    Querida Adriana, infelizmente, por razões orçamentárias, não
    pude contratar o William Holden e a Audrey Hepburn, mas creio que ficará feliz
    ao saber que conseguimos dois sósias fantásticos. Abrindo um parêntese, acho
    fantástica a capacidade de emular fisicamente outra pessoa. Exatamente o que
    fazia Leonard Zelig, mas sobre isso irei tratar mais adiante. Já estão até
    emulando Machado de Assis, mas inexplicavelmente com um vocabulário muito
    pobre. Fico imaginando um jovem folheando “Dom Casmurro” e tentando entender
    qual o diferencial desse escritor entre tantos, já que a mágica estava
    exatamente na elaborada construção de frases. Sósia é um negócio complicado,
    quando modifica muito o trabalho do homenageado.

    O escritor imaginado pela Adriana manda recado (psicografado
    por mim) dizendo que está tremendamente feliz em Nova York, escutando Jazz e
    contando dólares. A mulher que ele acreditava ser sua ex-namorada, na realidade,
    se tratava de uma projeção holográfica. Essa moda está pegando, inclusive, até
    mesmo o Vaticano já estaria mostrando interesse nesse recurso para organizar
    uma nova aparição da Virgem, que se cansou de bater ponto em vidros de janelas
    na América Latina. Como é usual, o evento irá ocorrer no interior profundo de
    alguma vila inóspita esquecida pelo mundo. Qual seria a graça de surpreender o
    povo da cidade grande? Mantendo-me no assunto, o Papa acaba de afirmar que o
    celibato clerical não era pra ter sido levado tão a sério todo esse tempo. Num
    futuro próximo, ele pretende aparecer de bermudas e cantando no videokê um
    clássico de Guilherme Arantes. O mundo irá aplaudir cegamente, como sempre.

    Eu estou terminando de gravar em estúdio meu próximo álbum sacro,
    intitulado: “Dogmas, pra quê?”. Na faixa-título, um Hip-Hop, eu faço um dueto
    bacana com o MC Cutuca, homem de Deus e aviãozinho do tráfico de drogas. Como
    sacerdote moderninho, eu não posso perder o timing dessas revoluções que o Papa
    está conduzindo na igreja. Quero aproveitar e elogiar o escriba pelo retorno ao
    especial, pois estava sentindo falta de divulgar meu trabalho.

    ASS: PADRE CARMELITO,
    O BONDOSO.

    Zelig (1983)

    Em sua genialidade, Woody Allen estrutura esse filme como um
    documentário (repetindo o estilo de “Um Assaltante bem Trapalhão”) sobre
    Leonard Zelig, um (literalmente) camaleão social da década de vinte. Sem nenhum
    esforço, ele é capaz de adotar características físicas e mentais de qualquer
    pessoa com quem se relacionar. Ao lado de franceses, ele conversa fluentemente
    em francês, com direito até ao clássico bigodinho fino. Mas o que realmente
    fascina no roteiro é a forma como o personagem se adapta socialmente, como
    quando discute jargões de medicina ao lado de doutores, com total conhecimento
    sobre a área.

    A crítica é certeira, mostrando como as pessoas se moldam,
    até o caráter, no intuito de agradar e serem aceitas. E, claro, dignitários com
    os mais diversos interesses passam a utilizar suas palavras como alegoria para
    suas atividades. Zelig acaba se tornando na sociedade uma espécie de “Chance”,
    o jardineiro interpretado por Peter Sellers em “Muito Além do Jardim”. Mia
    Farrow vive uma doce doutora que acredita que o fenômeno seja psicológico, uma
    manifestação de alguém que não consegue se expressar, levando o roteiro a
    abordar também o machismo da época, mostrando a reação agressiva dos médicos a
    essa nova hipótese. O processo de tratamento é tão eficiente, que ele passa a
    conseguir até discordar de outras opiniões, algo impensável em sua realidade de
    outrora. Quantas pessoas assim você conhece em sua vida?

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    1 COMENTÁRIO

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here