O Cinema de Mizoguchi – “Senhorita Oyu”

    0

    Link para o texto anterior:

    http://www.devotudoaocinema.com.br/2014/03/o-cinema-de-mizoguchi-as-irmas-de-gion.html

    Senhorita Oyu (Oyû-Sama – 1951)

    Existe uma parcela de críticos que consideram esse um dos
    pontos mais baixos na carreira de Kenji Mizoguchi, mas eu discordo totalmente. O
    alvo do estúdio Daiei era o público feminino do pós-guerra, então o diretor
    entregava para esse mercado, com rapidez e elegância, melodramas de qualidade
    superior, alternando-os a projetos mais pessoais e autorais, como “Oharu: Vida
    de Uma Cortesã”, que o consagraria no mercado internacional com um Leão de
    Prata, no Festival de Veneza.

    Levando a trama, que originalmente no livro “Ashikari” de
    Junichiro Tanizaki se passava na Era Meiji, para o Japão contemporâneo, o
    roteiro de Yoshikata Yoda utiliza o erotismo inerente à obra do escritor ao delinear
    o triângulo amoroso. A história aborda uma cruel negociação entre a bela viúva Oyu
    (Kinuyo Tanaka), sua irmã submissa (Nobuko Otowa) e o cunhado (Yûji Hori), por
    quem ela realmente se apaixona, iniciando então um jogo de sedução e negação de
    desejo. O aspecto mais interessante é que Oyu finge não perceber que o cunhado
    compartilha de seu sentimento, aproveitando em vários momentos para sadisticamente
    provocá-lo, numa intensa dominação psicológica elevada pela excelente
    interpretação de Tanaka. O mesmo roteiro, em mãos menos sofisticadas, com
    certeza não estaria sendo lembrado nesse texto.

    A fotografia de Kazuo Miyagawa, em sua primeira parceria com
    o diretor após seu reconhecimento mundial por “Rashomon” (de Kurosawa), entrega
    verdadeiras pinturas em cada cena, como aquela que finaliza o drama do personagem
    vivido por Hori, caminhando sem rumo em direção à luz da lua, após ter afirmado
    com seu sacrifício a maior declaração de amor possível. É possível notar até certa influência de “Aurora”,
    de Murnau. A contribuição de Miyagawa, com seus infinitos tons de cinza entre o
    preto e o branco, na carreira de Mizoguchi é crucial, pois transformou a
    identidade visual de seus filmes, trabalhando experimentalmente com
    profundidade de campo.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here