Sábio Silêncio – Parte 10

    0

    Links para os textos do especial:

    http://www.devotudoaocinema.com.br/p/sabio-silencio.html

    Diário

    13 de Janeiro – 1920 – 18:30

    Pickfair já estava começando a parecer pequena, com poucos
    espaços onde alguém pudesse verdadeiramente ficar afastado dos grupos que
    conversavam animadamente. Como era literalmente um homem fora do meu tempo,
    estava evitando interagir, preferindo apenas observar e registrar. Sempre que
    Mary Pickford atravessava meu campo de visão, ela olhava zombeteiramente e
    piscava, sabendo que eu devia estar me sentindo em um parque de diversões.

    Eu percebi que seria impossível abordar todos aqueles que eu
    havia imaginado, mas me foquei inicialmente no senhor de cabelos brancos que
    parecia bastante cansado, um dos poucos que se mantinham sentados no grande
    sofá central, segurando ternamente a mão de uma senhora que transbordava
    elegância. Tentando manter a calma, aguardei vagar um espaço próximo a eles no
    sofá e me sentei, proferindo o clássico “quebra-gelo”: “Bela festa, não?” O
    máximo que consegui em resposta foi um tímido sorriso da mulher. Para minha
    sorte, alguns segundos depois, ele iniciou em tom baixo uma breve conversa com
    ela. Como imaginei, ela era Mina Miller, segunda esposa do homem que estava
    quase cochilando ao meu lado, Thomas Edison.

    Eu tentei atrair a atenção dele de todas as formas, mas o
    homem estava visivelmente abatido e sem humor para uma noite festiva. Acredito
    que ele estava torcendo para passar o tempo e poder voltar logo para sua casa.
    Arrisquei alto e usei a estratégia que não iria falhar. Eu me virei na direção
    dele e, após respirar fundo, iniciei:

    – Sr. Edison, acreditaria que eu sou um viajante do tempo?

    A esposa sorriu, mas ele, como imaginei, parecia ter
    acordado de um longo transe, chegando a se ajustar no sofá.

    – Meu jovem, você está se sentindo bem?

    Defendi o olhar mais sério que consegui, continuando a falar
    lentamente, estratégia que sempre torna qualquer disparate mais respeitável.

    – Eu sei que o senhor está desperto para a transcendência da
    vida humana. Você está se comunicando nesse exato momento com um homem de outro
    mundo… – na ausência de expressão melhor, acho que confundi ainda mais meu
    novo amigo.

    Ele trocou um olhar de choque com a esposa, mas havia nele
    uma fagulha de alegria quase infantil. Eu não sabia que ele já estava
    conduzindo secretamente uma pesquisa sobre a possibilidade de uma máquina que
    estabelecesse comunicação com os mortos. Alguns meses depois ele iria falar
    sobre isso publicamente. Prefiro pensar que tive alguma influência nesse
    sentido. Ele esqueceu completamente a festa e se virou para mim:

    – Ninguém sabe disso, não pode ser uma coincidência. Você
    está habitando esse corpo por um tempo limitado?

    Nesse momento percebi que havia me complicado bastante, mas
    pelo menos eu tinha conseguido atrair a atenção dele. Sem pensar duas vezes,
    respondi com ar solene:

    – Foi o que eu consegui para hoje… – segurei o riso o
    máximo que pude, mas não aguentei.

    Ele soltou uma gargalhada que atraiu a atenção dos mais
    próximos, apoiando a mão em meu ombro com o carinho de um amigo de
    infância. Edison, o “feiticeiro de Menlo
    Park” que inventou a lâmpada elétrica, era um homem sério e introvertido, mas
    extremamente bem-humorado e gentil. Emendei sem dar tempo dele sequer respirar:

    – Mas eu sou mesmo um viajante do tempo.

    O homem gargalhou mais alto ainda, como imaginei que ele
    faria. O plano estava dando certo. Agora eu poderia abordar o assunto mais
    importante da noite, sua inestimável contribuição para a Sétima Arte.

    ***

    scopecl - Sábio Silêncio - Parte 10

    O conceito da projeção de imagens em movimento era um dos
    muitos interesses de Edison. Ele procurava um instrumento que “estivesse para o
    olho, assim como o fonógrafo estava para o ouvido”. Em 1889, com a ajuda do
    fotógrafo William Dickson, desenvolveu o Cinetoscópio, um instrumento que
    permitia ver individualmente imagens em movimento através de um orifício na parte
    superior. Aquela invenção atraia cada vez mais interessados, então a produção
    teve que suprir aquela demanda. Em 1892 ele construiu o primeiro estúdio de
    cinema, o “Black Maria”, que se movia de acordo com a deslocação do sol e
    continha um telhado removível para possibilitar a entrada da luz. Os filmes eram
    basicamente breves números de vaudeville, como dançarinas e boxeadores cômicos.
    Não seguiam linhas narrativas, eles documentavam atividades triviais, como
    eventos esportivos ou a saída de operários de uma fábrica. Tudo mudou quando
    Edwin S. Porter foi contratado por Edison em 1900, começando então a utilizar
    aquela ferramenta para contar histórias. Em 1903, ele dirigiria o faroeste
    embrionário “O Grande Roubo do Trem”, colocando um dos personagens atirando em
    direção à plateia, ousadia que chegava a causar pavor em uma época mais
    ingênua. O sucesso dessa nova forma de narrativa visual levou à criação dos nickelodeons,
    pequenos teatros que exibiam esses filmes quase que ininterruptamente. O
    cidadão pagava um trocado, em qualquer hora do dia, para se distrair por alguns
    minutos. Nascia então o cinema.

    blkmimg - Sábio Silêncio - Parte 10

    ***

    Mary Pickford parecia feliz ao ver nosso entrosamento,
    quando se aproximou do sofá. Edison se levantou e deu um longo beijo na mão da
    anfitriã, antes de apontar o dedo em minha direção.

    – Esse rapaz devia trabalhar com vocês, faz tempo que não
    rio tanto.

    Mary piscou novamente para mim, antes de responder:

    – Nesse ritmo, ele acabará nos dirigindo.

    Ela beijou Mina e seguiu falando com os convidados, enquanto
    voltava a me sentar e, sem que ninguém percebesse, ligava o gravador. Ele foi o
    primeiro a falar, parecendo intoxicado pela passagem daquela mulher, que seguia
    com os olhos.

    – Não existe atriz melhor que Pickford, um encanto.

    – Por falar nisso, eu gostaria de saber sua opinião sobre
    esses filmes, essa Arte da imagem em movimento que você… – percebi que ele
    não prestava atenção em uma palavra do que eu estava dizendo, ainda muito
    compenetrado na figura de Pickford que desaparecia num oceano de ombros. – Sr.
    Edison, que fantástica atriz é a Pickford, não?

    – Fantástica, meu rapaz. Você disse muito bem.

    – E sobre os filmes, o que você sente ao ver… – percebi então
    que ele havia escutado muito bem minha pergunta anterior.

    – Eu não fiz nada. Você devia perguntar isso ao Edmund Kuhn,
    William Dickson, que dirigiram os meus produtos. Meu interesse era nas máquinas
    individuais, mas como pode ver, pensei muito pequeno. Achei que não haveria
    público interessado nesses filmes. Quando vi “O Nascimento de uma Nação”,
    entendi que estava diante de algo muito maior do que tudo que havia imaginado. –
    por algum motivo que não compreendi, senti que aquele assunto havia irritado
    ele, então preferi abortar a tentativa.

    – Mas como é linda a Pickford, não é?

    Edison checou se a sua esposa não estava prestando atenção,
    virou-se para mim e, com o rosto próximo ao meu, afirmou sorridente:

    – Demais, meu inteligente rapaz.

    Continua…

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here