O conceito de integridade em “Serpico”, de Sidney Lumet

0

Serpico (1973)

O protagonista está sentado descansando em seu jardim,
escutando a ária “E Lucevan le Stelle”, momento marcante da ópera Tosca, onde o
revolucionário Cavaradossi aguarda seus últimos minutos de vida em uma prisão. Um
detalhe que pode passar despercebido, mas que demonstra a sensibilidade
criativa do diretor Sidney Lumet, que adaptou a história real imortalizada no
livro de Peter Maas. O trágico pintor de Puccini e o policial íntegro interpretado
brilhantemente por Al Pacino possuem muito em comum, especialmente a qualidade
de manterem-se fiéis aos seus valores, mesmo quando confrontados pela total
desesperança. Frank Serpico só queria fazer seu trabalho, não defendia nenhuma
causa nobre, mas cometeu o crime de ignorar que o sistema alimentava a
corrupção que, em teoria, deveria combater.

O roteiro de Waldo Salt e Norman Wexler mostra a gradual
frustração de um jovem que tinha uma visão idealizada de como ser um oficial da
lei. O desconforto inicial ao perceber os primeiros deslizes de seus colegas, o
choque ao constatar que seus superiores temiam sua resistência a receber
propina, pois acabaria se tornando como o rei sábio do conto que escuta de sua
namorada, um louco aos olhos daqueles que beberam da fonte envenenada pela
ganância. Ele não estava disposto a sorver sequer uma gota daquela água
pestilenta. Com real interesse, ele atravessa uma fase em que tenta
genuinamente compreender as possíveis razões por trás dos atos ilegais de seus
colegas, o baixo salário ou problemas familiares, mas logo descobre que não há
dificuldade extrema que não seja subjugada pela dignidade daquele cujo caráter
não se dobra.

Chega a ser tocante a interpretação de Pacino, exibindo profundas
transformações psicológicas num espaço de poucos anos na vida do personagem, indo
da tranquilidade gentil de quem entra na brincadeira de crianças na rua,
passando pela fase madura da segurança profissional, cortejando pacientemente
as mulheres que despertam seu interesse, culminando no retrato triste de um
homem existencialmente cansado, cínico, angustiado e agressivo. É impactante o
momento, capturado em inteligente plano longo e sem cortes, em que vemos sua explosão
pra cima de seus colegas, após assistir eles conversando tranquilamente com o
mafioso que havia conduzido para ser devidamente punido. Este trabalho de
construção de personagem é auxiliado pela decisão do diretor de fotografia
Arthur J. Ornitz, que, em diversas cenas, utiliza lentes que achatam a imagem,
criando a ilusão de que o cenário se impõe sobre o protagonista, oprimindo-o cada
vez mais em sua jornada inescapável rumo à descrença total na honestidade em
sua função.

Cotação: 5starsv2 - O conceito de integridade em "Serpico", de Sidney Lumet

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here