Sétima Arte em Cenas – “Tubarão”

0

Tubarão (Jaws – 1975)

É desnecessário abordar a importância do filme para a indústria americana, um sucesso que transformou Steven Spielberg, do dia para a noite, em um sinônimo de espetáculo lucrativo. Acho encantadora a essência de filme B que é exalada em cada poro da produção, algo que o diretor buscava conscientemente, uma coragem revigorante em explorar os medos primitivos do homem, optando por se amparar generosamente na insinuação, o terror que se esconde. Ao ignorar boa parte da gordura extra do livro, o roteiro acaba se transformando no estudo objetivo do conflito eterno contra o desconhecido, o monstro sem propósito e imprevisível, o tubarão que, assim como a vida, carrega para a morte os corpos que se debatem alegremente na superfície.

O personagem interpretado por Robert Shaw, como o Ahab de Melville, vive apenas para encontrar seu nêmesis marítimo, uma criatura de olhos sem vida, um misto de Moby Dick e do trágico peixe de “O Velho e o Mar”, de Hemingway. O tubarão é uma máquina assassina natural, diferente do homem, ser racional, que mata seus iguais por esporte. Este elemento foi destruído nas péssimas continuações, que transformaram o animal em uma espécie de Jason Voorhees, mas, no original, por mais que o número de vítimas aumente gradativamente, o tubarão está em seu ambiente, que é invadido pelos humanos, estimulados por um prefeito inconsequente em seu desejo de transformar a pequena cidade em um ponto turístico interessante. Não é apenas um confronto clássico do homem contra a natureza, mas, principalmente, um confronto da ganância humana contra o próprio homem, representado pelo ético policial Brody (Roy Scheider), e contra a natureza. A caçada é trágica, porém, necessária, como a extinção dos dinossauros no planeta, analogia sublinhada pela utilização sonora do rugido de um dinossauro no momento em que a criatura é destruída, exatamente como ocorre na destruição do caminhão, o monstro de seu filme anterior: “Encurralado”.

E este conflito só funciona graças a um roteiro que inteligentemente entrega tridimensionalidade ao personagem vivido por Scheider. A minha cena favorita é breve, ocorre logo depois que o policial é agredido pela mãe de uma vítima. Ele estava se sentindo péssimo, psicologicamente alquebrado, já que se culpava por aquela morte. Quando penso em “Tubarão”, minha mente me conduz à emocionante interação entre pai e filho, na mesa de jantar. O menino que imita cada gesto do pai, o seu herói, ignorando os problemas
que ele enfrenta. Brody entra na brincadeira, pedindo um beijo. A criança pergunta a razão, no que ele responde: “Eu preciso”. A sensibilidade na condução da cena é uma demonstração da competência de Spielberg.

tubarao darkside books 2 - Sétima Arte em Cenas - "Tubarão"

* O livro de Peter Benchley, que foi adaptado por Spielberg, está sendo relançado no Brasil, em edição de luxo, pela editora “Darkside Books”.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here