“Vida Cigana”, de Emir Kusturica

Vida Cigana (Dom Za Vesange – 1988)
Perhan é um jovem que mora com a avó na periferia de
Sarajevo e sonha se casar com Azra. Para isso, é convencido por Ahmed a ir para
a Itália, a troco de uma promessa de fortuna rápida. A viagem revela-se uma
armadilha, onde o jovem descobre que o “emprego”, na verdade, tem a ver com o
tráfico de crianças. O grande público pode se lembrar de “Arizona Dream”, com Johnny Depp e Jerry
Lewis, que é um excelente ponto de partida para a obra verdadeiramente única do
diretor Emir Kusturica, mas, para esse escriba, os quatro melhores filmes dele
são: “Vida Cigana”, “Quando Papai Saiu em Viagem de Negócios”, “Gata Preta, Gato Branco” e “Underground – Mentiras de
Guerra”.
O cineasta iugoslavo, como sempre, direciona sua atenção para as camadas menos
favorecidas da sociedade, utilizando humor e generosas doses de realismo
mágico, a difícil arte de captar o elemento surreal a partir de uma encenação
fincada na realidade, criando sequências que realmente permanecem na mente por
um longo tempo após a sessão. Adoro todos os momentos de interação entre o
garoto e sua avó, o coração da trama, especialmente na cena em que ela defende
o neto da verborragia preconceituosa da gananciosa mãe da namorada dele. Como
esquecer também o hilário “sequestro” das paredes da casa da família, o ato
desesperado de um viciado em jogo? O roteiro utiliza a comunidade cigana como
microcosmo, com todos os diálogos falados na língua romani, tendo na figura de
seu protagonista, vivido por Davor Dujmovic, o relato clássico do inocente que
desce ao inferno, em essência, um conto de amadurecimento.
E vale destacar a importância da trilha sonora de Goran Bregovic nessa
encantadora imersão que a obra nos proporciona, uma espécie de paixão à
primeira vista. Temas como “Scena Perhanove Pogibije” e “Glavna Tema”, com sua
fascinante aura de melancolia, e, claro, a impressionante “Ederlezi”, uma
versão de uma canção folclórica balcânica, que toca na cena onírica ambientada
na festa de São Jorge.

Uma resposta para ““Vida Cigana”, de Emir Kusturica”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *