“Cabra Marcado Para Morrer”, de Eduardo Coutinho


Cabra Marcado Para Morrer (1984)
Nesse final de semana senti necessidade de rever alguns
trabalhos de Eduardo Coutinho. É esse tipo de cinema, intensamente emocional,
original, corajoso, que forja um público criterioso e consciente, elemento
essencial em uma indústria. E, por mais que eu goste muito de “Edifício Master”
e “Jogo de Cena”, nutro carinho especial por “Cabra Marcado Para Morrer”. Não
apenas por ter sido meu primeiro contato com ele, um impacto sensorial que
nunca esqueci, mas, principalmente, pela maneira correta com que sua câmera
aborda um tema que, em outras mãos, poderia se tornar algo panfletário,
manipulativo, reduzindo o ocorrido a uma visão simplista. Coutinho não era um
moleque polemizador como Michael Moore, mas, sim, um artista verdadeiramente
sensível que sumia perante as histórias importantes que se dedicava a contar. O
documentarista nunca deve se considerar mais importante do que o foco de seu trabalho.
Uma frase, dita com veemência por um dos filhos da viúva do
líder da Liga Camponesa, cristaliza a máxima que segue pungentemente atual: “Todos
os regimes são iguais, nenhum governo presta para o pobre”. Quando a sensação
inebriante de poder turva os olhos, até mesmo o mais bem-intencionado cidadão cogita,
nem que seja por um ínfimo momento, abandonar seus ideais e dar as costas para
seus valores. O caráter, esse traço mágico que independe de qualquer elemento
externo, é o único antídoto capaz de deter essa avassaladora ambição. A meta,
outrora altruísta, se torna a permanência naquele sistema corrupto. Os pobres
da sociedade, ainda que teoricamente priorizados em regimes populistas, são
apenas joguete eleitoreiro, números que precisam ser administrados, o óleo que
mantém operando a engrenagem do enriquecimento daqueles que conquistaram o
poder. O pobre pode passar a comer melhor, morar em um local mais digno, porém,
nunca será minimamente estimulado pelo sistema a transcender essa condição de
subserviência existencial, consequentemente, agregando conhecimento suficiente
que o faça compreender como está sendo massa de manobra de interesses espúrios.

O filme original, gravado em 1964, sobre a luta de João
Pedro Teixeira, líder camponês assassinado na Paraíba a mando de latifundiários,
utilizando não atores em cenas roteirizadas, com a própria Elizabeth Teixeira revivendo
dramaticamente suas experiências, ao que tudo indica, caso não tivesse sido
interrompido pelo golpe militar, teria resultado em algo medíocre,
provavelmente não teria relevância alguma hoje. O diretor, que foi obrigado a
fugir, na época, com sua equipe, não desistiu da história, retornando ao local
das filmagens dezessete anos depois, alquimicamente utilizando o produto de
dois eventos historicamente vergonhosos: o assassinato do líder camponês e a
repressão da ditadura militar, como gênese para um documentário que, de certa
forma, serve como redenção e um forte pressionar do dedo na ferida. Ao se
reencontrar com aquelas pessoas, a viúva, que havia até trocado de nome, e seus
dez filhos dispersados pelo golpe, o cinema, através das lentes de Coutinho,
atua como ferramenta que restaura a identidade desses indivíduos, injetando
autoestima, reposicionando-os como cidadãos com voz. Só de escrever essas
palavras, fico emocionado. É uma obra essencial, que merece ser revista com
frequência. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *