“Pecados Antigos, Longas Sombras”, de Alberto Rodriguez

    0

    Pecados Antigos, Longas Sombras (La Isla Mínima – 2014)

    A trama é ambientada em um período de incerteza política na
    Espanha, cinco anos após a morte do general Franco. Dois policiais da cidade
    grande são enviados aos pântanos sulistas, com o objetivo de traçar o rastro de
    um serial killer que se aproveita de meninas interessadas em melhorar de vida,
    a dura consequência da instabilidade social.

    De forma inteligente, o roteiro não se preocupa em delinear as motivações
    desses personagens, eles quase não conversam. Ao invés dos diálogos
    expositivos, o diretor opta por inserir sutis dicas que encaminham o público de
    maneira orgânica até essas contundentes revelações. Ainda que boa parte das
    críticas revele a questão, prefiro respeitar a experiência do público. Por
    exemplo, logo no início, em uma cena de perseguição a um possível suspeito, o
    policial mais novo, vivido por Raúl Arévalo, demonstrando a impulsividade
    inconsequente de um idealista, gasta seu fôlego correndo, enquanto o mais
    velho, vivido por Javier Gutiérrez, numa atitude arrogante, simplesmente
    dispara seu revólver para o alto, sabendo que o suspeito iria se amedrontar e
    desabar no solo. Essa divergência de atitudes encontra eco no terceiro ato.

    Vale destacar a excelente fotografia de Alex Catalán, que, ao contrastar a
    magnitude do cenário com a mente pequena dos residentes, ajuda a construir uma
    aura de claustrofobia moral que parece dominar o local e seu povo, um clima
    macabro que me remeteu diretamente ao “Seven”, de David Fincher. O bem azeitado
    suspense e as digitais claras do noir não seriam suficientes para que a obra se
    destacasse, qualquer “True Detective” televisivo consegue resultado semelhante.
    O interesse do roteiro não está na resolução do crime. O que engrandece o filme
    é seu corajoso elemento de alegoria política, o conflito entre um sistema
    ditatorial mantido por egoístas e o gradativo levante daqueles que buscam
    estabelecer uma sociedade mais democrática.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here