Endorfina (Endorphine – 2015)

Simone, aos doze anos, testemunhou o brutal assassinato da
mãe, uma experiência que abala profundamente sua psique. Analisando
essencialmente a percepção do tempo, o roteiro atravessa três fases de sua
vida, numa espécie de looping que embaralha eventos e personagens.

A sua versão
adulta defende o leitmotiv da analogia entre o registro cinematográfico e a
vida, uma ideia trabalhada de forma bastante didática no primeiro ato, porém,
esquecida em certo ponto da trama. Pra início de conversa, a despeito de um
tema com tremendo potencial, a execução desse filme é um imbatível antídoto pra
insônia. Existem exemplos de obras similares em complexidade no gênero, como o
pouco citado: “Primer”, que conseguem elaborar um quebra-cabeça fascinante,
onde, ao final, o espectador se sinta plenamente satisfeito, mesmo que não
tenha compreendido boa parte da história. Você se sente intimado a rever, pelo
prazer da experiência de ser intelectualmente estimulado, algo cada vez mais
raro no cinema.

“Endorfina”, por outro lado, joga peças de um enredo altamente confuso, sem
desenvolver sequer medianamente qualquer arco narrativo, causando apenas
irritação. Um equívoco básico: não conhecemos minimamente a protagonista,
consequentemente, não nos importamos com ela. Como a narração é um recurso
amplamente utilizado, esse equívoco é fatal, transformando todo o segundo ato
em uma palestra chata sobre astrofísica, comandada por alguém sem carisma e
senso de palco. O diretor André Turpin demonstra claramente não ter noção do caminho
que quer seguir, conduzindo a cenas de um hermetismo tão absurdo que causam
risos involuntários.

RECOMENDAMOS



Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui