“Celine e Julie Vão de Barco”, de Jacques Rivette

0

Celine e Julie Vão de Barco (Céline et Julie Vont en Bateau – 1974)

O diretor Jacques Rivette faleceu recentemente, um dos críticos franceses da geração de ouro da Cahiers du Cinéma, colega de Truffaut, Godard, Rohmer e Chabrol, dentre outros, intensamente criativo em teoria, porém, problemático na execução. Os seus filmes ultrapassam generosamente duas horas de duração, o que, quase sempre, ocasiona o enfraquecimento do impacto de suas boas ideias. Poucos são os filmes que verdadeiramente se beneficiam com mais que cem minutos, tempo suficiente para contar eficientemente qualquer história.

Dito isso, eu gosto bastante de “Celine e Julie…”, “Paris nos Pertence”, “A Duquesa de Langeais” e “A Bela Intrigante”, especialmente o primeiro e o último, onde o conceito do tempo acaba funcionando narrativamente como o destruidor das expectativas convencionais de um cinéfilo. As mais de três horas de “Celine e Julie…” intensificam a noção de que tudo é possível, o público está admirando um terreno inexplorado e imprevisível, a imaginação fértil das duas personagens.

Quando o cineasta utiliza um novo padrão de signos visuais, o espectador fica como um cego tateando o caminho, buscando formas de responder a algo que desconhece, sem os reflexos programados pela indústria. A óbvia referência à Alice de Lewis Carroll na cena inicial, que se repete, com os papéis trocados, no desfecho, mostrando uma das duas amigas como sendo o elemento de caos que se insere no rotineiro, representando o coelho que estimula a menina a descobrir um mundo novo, introduz ao espectador essa noção.

As duas, brincalhonas e inconsequentes, acabam encontrando uma mansão assombrada, outro núcleo de atores, uma espécie de teatro dentro do filme. Rivette, como sempre, faz parecer que a trama está sendo descoberta no processo de produção, a história tem vida própria. Com o auxílio de pequenas balas que, quando consumidas, fazem com que elas enxerguem passivamente o desenrolar da trama de mistério que ocorre dentro da mansão, o roteiro coloca as personagens no papel do público, reagindo aos estímulos audiovisuais.

Ao optar pela repetição frequente das cenas desse segundo núcleo, nos mesmos enquadramentos, algo que faz com que as jovens cheguem até a memorizar as falas, o diretor critica a indústria e o cinéfilo que se permite adestrar cognitivamente. Nos últimos vinte minutos, ponto alto do filme, as jovens decidem participar ativamente daquela história, a linguagem do cinema, com suas ferramentas únicas, invade com muito bom-humor o terreno do teatro, desconstruindo cada situação com o frescor do improviso, potencializando a crítica já citada, mostrando que a narrativa, muito mais do que a história, é o que verdadeiramente cativa o público.

Não há lógica, não há regras, uma visão libertária de como poderia ser o cinema, caso o ser humano não preferisse o conforto fornecido por aquele sistema de regras que já conhece.

RECOMENDAMOS


Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here