Entrevista com Renzo Mora, autor do livro: “Casablanca – A Criação de Uma Obra-Prima Involuntária do Cinema”

    0

    Em mais uma entrevista exclusiva para o “Devo Tudo ao Cinema”, converso com o colega escritor Renzo Mora, que lançou o livro: “Casablanca – A Criação de Uma Obra-Prima Involuntária do Cinema”, pela Editora Estronho.

    12833329 1313624761988416 1609896255 n - Entrevista com Renzo Mora, autor do livro: "Casablanca - A Criação de Uma Obra-Prima Involuntária do Cinema"
    Renzo com o “Falcão Maltês” original.

    O – Uma vez eu escrevi que, dentre todos os filmes da época de
    ouro de Hollywood, “Casablanca” era o mais próximo de uma blowing
    session de Jazz, onde o improviso foi o elemento que engrandeceu o resultado
    final em todos os aspectos. Como esse é o mote do seu livro, explique melhor os
    bastidores dessa produção, desde sua concepção teatral.

    R – Houve improviso na
    redação do script, já que a peça que serviu de base (por sinal, inédita nos
    palcos até então) mostrava uma infidelidade conjugal, o que não era aceito pelo
    MPPDA (Motion Picture Producers and Distributors of America). A protagonista da
    peça era uma mulher imoral, o que era inapropriado para a típica heroína dos
    anos 1940. Desta forma, o roteiro foi passando por muitas mãos, a ponto de
    ninguém saber exatamente quem escreveu o que, principalmente para suavizar o
    comportamento da personagem de Bergman. Mas, no estúdio, imperava a ditadura
    implacável de Michael Curtiz, o que não deixava muito espaço para a
    improvisação, embora Bogart tenha enfiado cacos memoráveis em suas falas.

    O – Outro fator que me fascina nessa equação arriscada da
    Warner é o impressionante e inesperado sucesso, de público e crítica, que o
    filme conquistou na época. Hoje em dia os filmes já são pensados com toda
    pretensão possível, a sequência já é divulgada antes mesmo do primeiro estrear,
    a máquina se tornou, de fato, industrial. Mas ninguém, nem mesmo os
    profissionais envolvidos, acreditavam que “Casablanca” chamaria tanta
    atenção. Disserte sobre isso. E, na sua opinião, quais foram os elementos (dentro
    da obra) que garantiram esse sucesso.

    R – Esse é o grande mistério de Casablanca.
    Ele era um filme apenas mediano na linha de produção da Warner. Talvez se
    houvesse naquela época os infinitos testes com público, o final infeliz não
    tivesse resistido. Não sei explicar a mágica de Casablanca – mas a graça da
    mágica está justamente em ser inexplicável. Ninguém ficou mais surpreso com a
    repercussão do filme do que seus protagonistas, Bogart e Bergman, que achavam o
    roteiro uma bobagem cheia de furos.

    O – Como você analisa a importância de Humphrey Bogart e
    Ingrid Bergman no que tange esse sucesso? Fique à vontade para abordar como
    eles foram escalados para o filme.

    R – Esqueça aquela história de Ronald Reagan
    sendo pensado para o papel de Rick. As alternativas desde o começo eram Bogart
    (ou, talvez, George Raft), mas a aposta mais certeira era Bogart. Já a mocinha
    mais cotada era Ann Sheridan. Os irmãos Epstein, parte do time de roteiristas,
    achavam que qualquer americana peituda serviria. No final, o papel caiu nas
    mãos de uma relutante Ingrid Bergman, cuja maior ambição na época era se livrar
    logo do filme para tentar estrelar “Por Quem os Sinos Dobram? ”, adaptação do
    livro de Hemingway.

    casablanca main - Entrevista com Renzo Mora, autor do livro: "Casablanca - A Criação de Uma Obra-Prima Involuntária do Cinema"

    O – O roteiro foi lido pelo profissional da Warner no dia do
    ataque em Pearl Harbor, o contexto histórico mostra que os norte-americanos
    ainda estavam relutantes com relação à guerra. Do dia para a noite, o interesse
    pelo cinema enquanto ferramenta de propaganda cresceu exponencialmente. E a
    Warner foi pioneira nisso, com “confissões de um espião nazista”, de
    1939. Como você analisa a influência desses elementos externos na realização do
    filme, esse timing perfeito?

    R – A opinião pública americana estava muito relutante
    em ver a América entrar no conflito. De fato, Hitler tinha até fãs nos EUA,
    como o aviador Charles Lindbergh. Ele era visto como o corajoso que se
    levantava contra o Império Britânico e sua “arrogância”. Neste contexto, todos
    os instrumentos de propaganda eram necessários para convencer o americano médio
    – e o filme se insere nestes esforços, sem que isso o desmereça. Guardadas as
    proporções, a Capela Sistina é um instrumento de propaganda do catolicismo.

    O – Em sua opinião, qual a relevância do diretor Michael
    Curtiz no produto final? Ele foi essencial para evitar que o caos dos
    bastidores transparecesse nas filmagens?

    R – Sem dúvida. Talvez até demais. Curtiz
    era um tirano, o que revoltava os astros principais, mas sua mão de ferro
    segurou a produção durante as incertezas que rondava o final do filme (Ingrid
    seria assassinada? Iria com o marido? Ou ele é quem morreria?)

    O – Disserte sobre a inserção da canção “As Time Goes
    By” e sobre a importância dela no apelo popular da obra.

    R – Era uma canção
    esquecida, composta em 1931 para um musical medíocre – e era odiada pelo autor
    da trilha original do filme Max Steiner. Mas, assim como o filme propriamente
    dito, ela tem alguma qualidade mágica que a eternizou e se incorporou à mística
    da obra.

    c0503f2dd52d33b9318202122ca3f160 - Entrevista com Renzo Mora, autor do livro: "Casablanca - A Criação de Uma Obra-Prima Involuntária do Cinema"

    O – A emocionante cena emoldurada pela Marseillaise foi
    inspirada por uma similar no filme “A Grande Ilusão”, de Jean Renoir.
    É, para mim, o segundo momento mais impactante do filme, após o clássico
    desfecho. Como você enxerga a relevância emocional dessa cena, a sua execução,
    levando em conta o contexto real da guerra?

    R – Quando Bogart concorda com sua
    execução, ele não sabe com o que está concordando. Com sua falta de modos
    peculiar, Curtiz pediu a ele que acenasse positivamente com a cabeça e não
    explicou para que servia a cena. É curioso que a Marselhesa tenha uma relação
    de amor e ódio com os franceses. Por um tempo, ela foi vista como um símbolo do
    pior da direita xenófoba francesa. Depois dos recentes atentados terroristas,
    ela voltou a ser vista como um símbolo do país. Talvez ela expressasse o
    patriotismo francês visto a partir dos EUA. Mas quando ela “contamina” todo o
    bar de Rick, sufocando os nazistas, não há quem não se renda. E talvez o filme
    tenha ajudado a recolocar o hino em seu devido lugar no orgulho de ser francês,
    na época profundamente abalado pela tomada do país.

    O – Aborde o papel fundamental da censura na subtrama
    romântica da personagem de Bergman, algo que, curiosamente, foi análogo ao que
    aconteceu com a própria atriz, ao se apaixonar pelo italiano Roberto
    Rossellini.

    R – A vida imita a arte. Na peça, a personagem feminina trai o marido sem
    o menor escrúpulo – o que não era permitido no cinema. Daí a viuvez presumida,
    o que justifica o romance extraconjugal. A maior prova de que a sociedade
    americana não estava pronta para este tipo de comportamento foi o exílio
    afetivo que Bergman sofreu quando trocou o marido pelo cineasta italiano. Só
    quando ela também foi traída pelo incorrigível Rossellini a América a aceitou
    de volta, desta vez como vítima.

    O – Woody Allen é meu grande ídolo no cinema. Você gosta da
    utilização do Rick de “Casablanca” em “Sonhos de Um
    Sedutor” (peça e filme), como o amigo imaginário do tímido cinéfilo vivido
    por Allen? E, aproveitando o ensejo, como você enxerga a importância desse
    personagem na cultura pop mundial?

    R – Rick Blaine é o primeiro rebelde do cinema
    americano, matriz de centenas de personagens que vieram depois dele. Woody
    Allen queria ser Bogart. Todos nós queremos ser Bogart. O Bogart das telas e o
    da vida real – cínico, indomável, durão. Infelizmente, quebraram o molde e
    resta-nos sonhar que ele nos aconselhe, como faz com o personagem de Allen.

    20150409 casablanca frente1 - Entrevista com Renzo Mora, autor do livro: "Casablanca - A Criação de Uma Obra-Prima Involuntária do Cinema"

    O – Renzo, por gentileza, deixe uma mensagem final para os meus leitores. E fique à vontade para divulgar o livro.

    R – Revejam Casablanca. Rick Blaine permanece como o herói que
    gostaríamos de ser. Os segredos de sua produção e a vida dos envolvidos é quase
    um filme à parte, tão fascinante quanto a própria obra.

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here