“Timbuktu”, de Abderrahmane Sissako

0

Timbuktu (2014)

Hoje pela manhã (texto escrito em março de 2016), mais uma tragédia anunciada, atentado terrorista em Bruxelas, pelo menos trinta vítimas, ato assumido pelo Estado Islâmico. É óbvio o perigo do fanatismo fundamentalista religioso no mundo todo, mas é interessante abordar a realidade desumana em que vivem aqueles que estão inseridos nesse sistema, não por consciente escolha ideológica, pessoas que se acostumaram com uma rotina de medo, culpa e punição, administrada por agentes do ódio. É o que mostra o excelente “Timbuktu”, dirigido por Abderrahmane Sissako.

A sua impactante cena final rima com o símbolo metafórico utilizado no início, a perseguição no deserto, entre um veículo lotado de jihadistas armados e um solitário filhote de cervo. O animal, desamparado como a menina que acaba de perder os pais, eliminados em um julgamento, fugindo para lugar algum, sendo sufocada pelas tradições de seu povo, questionando repetidamente ao vento sobre a razão daquela violência.

O pai dela, um músico pacífico, alguém que sequer sabe brigar corpo a corpo, motivado pela tristeza da filha com a perda de sua vaca, vai ao encontro do criminoso para se vingar. Ele, a despeito dos pedidos da esposa, carrega um arma. No calor da briga, sem querer, ela dispara, eliminando o seu oponente. Nesse momento, esse pai honrado passa então a ser julgado por homens sem honra, fanáticos armados que vivem pela guerra. Ele, que se arrepende de ter levado a arma, julgado por pessoas que não se arrependem de eliminar estranhos a sangue frio.

A beleza da esposa, que lava os cabelos numa bacia, enquanto um jihadista aproveita a ausência do marido para flertar com ela. O hipócrita pudor que rege a exigência dele para que ela cubra o rosto, gesto que ela repudia. Essa cena resume o sistema absurdo e dicotômico que esses homens defendem: ele pode se encantar pela mulher casada e desrespeitar o marido dela, mas considera uma provocação ofensiva o simples ato da mulher em exibir sua cabeleira. O véu, ferramenta grosseira de submissão, uma sociedade tão datada quanto os dinossauros, mas com a sorte de não ter sofrido as consequências da queda de um meteoro.

Como esquecer a forte cena em que a pobre mulher é severamente punida por cantar alegremente? Com as lágrimas vertendo no rosto, o canto volta a ser escutado, resiliente, como instrumento de rebeldia. O corajoso roteiro apresenta outra personagem que resiste bravamente, uma espécie de bruxa que veste cores vivas, caminha com segurança entre os opressores, impede a passagem de um jipe dos jihadistas, em suma, um elemento verdadeiramente humano inserido naquele cenário desumano. Nesta atitude, a esperança de que algum dia o fanatismo fundamentalista religioso, assim como os dinossauros, faça parte apenas dos livros de História.

Em um dos momentos mais belos em sua poesia, que remete ao pianista de Polanski dedilhando o espaço vazio e a partida de tênis imaginária em “Blow Up”, os habitantes de Timbuktu, apreciadores do futebol que é proibido, brincam com uma bola imaginária em uma partida teatralmente perfeita.

A resistência de um povo que, por um tremendo azar geográfico, já nasceu em uma cultura retrógrada em que imperam o medo, a violência e a opressão. E, analisando em longo prazo, tudo sempre começa quando o indivíduo abdica de sua liberdade básica, quando ele aceita a submissão como algo válido…

Octavio Caruso
Viva você também este sonho...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here