Introduzindo o Cinema na Vida dos seus Filhos (1 de 4)

    0

    O maior presente que os pais podem dar aos filhos é
    incentivar desde muito cedo o amor pela cultura, um tesouro que, especialmente
    hoje em dia, não depende de condição financeira, apenas de uma mínima dose de
    interesse. O filho pequeno pode aprender sozinho, mas ter o apoio dos pais
    facilita o processo, possibilitando o tipo de companheirismo atencioso que, na
    sociedade atual, está sendo substituído por tablets e smartphones nas mãos das
    crianças, recurso que tenta mascarar a parentalidade irresponsável com o
    imediatismo tolo de babás eletrônicas, formando adultos emocionalmente imaturos
    que desprezam o passado, analfabetos funcionais com diplomas na parede, porém,
    existencialmente frustrados. O usual do adulto brasileiro é incentivar no filho
    pequeno o amor pelo time de futebol. Nada contra o esporte, mas caso você
    queira que seu filho seja um homem interessante no futuro, com um repertório
    mais eclético de assuntos, ao invés de comprar uma cara camiseta oficial do
    artilheiro para o menino, utilize o mesmo valor adquirindo pra ele uns vinte
    livros. E, melhor ainda, tire pelo menos quarenta minutos de seu dia,
    provavelmente metade do tempo que desperdiça no serviço debochando dos colegas
    da firma que torcem pelo time adversário, ou jogando conversa fora no WhatsApp,
    sentando-se com seu filho e lendo pra ele, explicando o contexto da história,
    tornando ainda mais fascinante essa importante experiência literária.

    O cinema em casa pode ser um elemento complementar nesse
    delicioso aprendizado, nessa aventura que pode ajudar a definir o caráter da
    criança. Com o amor pela literatura, a cinefilia ganha ainda mais relevância.
    Um assunto normalmente puxa o outro e, mais importante, é enriquecido pelo
    outro. Eu costumo receber mensagens de mães carinhosas desejando iniciar os
    filhos nessa arte, então, ao invés de sugerir brevemente alguns títulos,
    elaborei um passo a passo que pode ser utilizado por todos. O primordial é que
    seja estimulado na criança o carinho pelo antigo, o fascínio pelo “como isso
    começou” e pelo “como isso se transformou através do tempo”. Sinto nojo quando
    vejo um adulto vomitar com repugnância frases como: “Preto e branco não, isso é
    tão velho…”, ou o clássico: “Mas esse eu já vi…”. Ensine à criança que o ato de
    rever, reler, revisitar arte, mais que algo natural, é uma forma de tornar
    ainda melhor aquela experiência. Ensine a criança a não ter preconceito com
    qualquer gênero. Tem coisa mais digna de vergonha alheia que um adulto afirmar
    que tem medo de ver filme de terror? E esse adulto acaba passando para os
    filhos pequenos essa trava emocional. Faça a criança entender que é natural
    sentir medo em um filme de terror, que faz parte da diversão, salientando que o
    sangue é de mentira, estimulando a admiração pela competência dos realizadores
    em operar bem aquele trem fantasma. Dito isso, inicio a proposta de passo a
    passo cinematográfico.

    É uma espécie de tradição familiar apresentar o cinema para
    a criança, por volta dos seis/sete anos, com as animações de Walt Disney. As
    meninas normalmente começam com “Branca de Neve e os Sete Anões”, os meninos
    começam com “Pinóquio”, ou “Peter Pan”. Eu proponho algo diferente, atraente
    para ambos os sexos: “Guerra nas Estrelas”, o clássico de 1977. A fantasia na
    medida certa, um universo colorido de múltiplas possibilidades, uma trilha
    sonora marcante, valores importantes celebrados, com heróis e vilões bem
    definidos. Não conheci ainda uma criança que não tenha ficado apaixonada por
    esse despertar sensorial. Ao final da sessão, converse com a criança sobre os temas,
    estimule a reflexão sobre aquele mundo novo, ensinando que tudo é uma metáfora
    para os conflitos que todos nós compartilhamos diariamente.

    Outra sessão com muito potencial é “Ben-Hur”, o clássico
    dirigido por William Wyler. Como é um filme longo, facilita a conversa sobre os
    temas no intervalo. Tem aventura, perigo, humor e romance, tudo que um bom
    conto de fadas oferece. Foi o filme que me despertou o amor pelo cinema, quando
    vi pela primeira vez, aos quatro anos. Nunca subestime a criança, entregue
    sempre algo que incentive ela a buscar compreender, ao invés do entretenimento
    mastigado. Ela pode entender apenas 1% do todo em uma primeira sessão. Mas se
    ela for cativada pela emoção do momento (filme + preliminares e pós-sessão),
    ela vai querer repetir no dia seguinte. Outra sugestão válida: “Mary Poppins”, a melhor introdução
    das crianças ao mundo dos musicais, com uma trama emocionante que aborda temas
    como a importância da atenção parental na vida dos filhos pequenos. Como
    introdução ao gênero do terror, eu sugiro “Gremlins”, uma trama que, em
    essência, fala diretamente à responsabilidade da criança com os bichinhos de
    estimação, com a indisciplina do personagem causando todo o problema.

    No gênero
    da comédia, nada melhor que “Os Caça-Fantasmas”, movimentado o suficiente para
    manter a atenção da criança, com personagens carismáticos e um nível de ousadia
    que vai sendo captado melhor em revisões. Esses cinco filmes representam o
    estágio inicial de apresentação do cinema, a “primeira fase”. Com durações que
    variam de 90 minutos até épicas três horas, são sessões que incitam a criança a
    testar sua resistência/paciência, fazendo com que ela se acostume a focar na
    tela por mais tempo do que um desenho animado comum. Quanto menos imediatista
    for o seu filho, melhores serão as chances dele se tornar um bom leitor e um
    bom cinéfilo. Ensine pra ele o valor do silêncio, já que todas as questões que
    ele tiver, com certeza, serão respondidas no próprio filme. E, caso ele não
    pare de falar o tempo todo, ele provavelmente não vai escutar as respostas das
    questões. As perguntas frequentes são uma forma de a criança pedir sua atenção.
    Mostre que você está vivendo plenamente com ela essa experiência (não atenda
    celular, por exemplo), que ela então irá se acalmar e ficará mais atenta à
    tela.

    Quando seu filho pedir uma revista em quadrinhos na banca de
    jornal, não pense muito, compre e entregue sorridente pra ele. O interesse pela
    leitura nunca deve ser tolhido. Ele está no caminho certo. Dê o exemplo, leia
    com frequência em casa. A criança pequena imita os gestos dos pais. O hábito
    deve nascer antes de a paixão ser efetivamente despertada. Da mesma forma que
    os problemas de socialização de um cachorro encontram solução rápida na
    reeducação dos donos, os problemas de socialização dos filhos pequenos refletem
    erros dos pais. Seja violento, que a criança entenderá a violência como forma
    cabível de expressão. Seja um leitor, que a criança ficará interessada em
    conhecer o mundo fascinante daquelas páginas, antes mesmo de aprender a ler. Dê
    atenção ao seu filho, já que você optou conscientemente por inserir ele no
    mundo.

    Continua…

    RECOMENDAMOS


    Octavio Caruso
    Viva você também este sonho...

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here